Olimpíadas Presidente da Tóquio 2020 deve pedir demissão após fala machista

Presidente da Tóquio 2020 deve pedir demissão após fala machista

Mídia japonesa dá como certa saída de Yoshiro Mori do cargo; sexismo afugentou colaboradores dos Jogos Olímpicos

O presidente do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, Yoshiro Mori, decidiu renunciar após a polêmica gerada por seus comentários sexistas, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira (11) pela imprensa local.

Mori comunicou sua decisão de renunciar ao cargo a pessoas próximas da organização, após as seguidas críticas recebidas desde suas declarações, na semana passada, de acordo com vários meios de comunicação japoneses.

O comitê organizador, segundo um porta-voz consultado pela Agência Efe, não tem conhecimento de que essa decisão já tenha sido tomada.

O ex-primeiro-ministro japonês, de 83 anos, falou durante uma reunião do Comitê Olímpico local sobre os supostos inconvenientes que a presença feminina nas reuniões representa, comentários que provocaram uma série de protestos do mundo político e do esporte, tanto dentro como fora do país.

Espera-se que a saída da Mori seja oficializada amanhã, quando será convocada uma reunião do conselho de administração e representantes do comitê organizador para abordar a polêmica gerada pelas declarações do ex-premiê e suas possíveis consequências.

"Ouvi alguém dizer que, se aumentarmos o número de mulheres no conselho, temos que regular o tempo de uso da palavra de alguma forma, ou nunca terminaremos", disse Mori, durante reunião da semana passada quando questionado sobre os planos do Comitê Olímpico do Japão aumentar o número de mulheres de 20% para 40%.

Entre as vozes que protestaram contra seus comentários está a do Comitê Olímpico Internacional (COI), que classificou a declaração de "absolutamente inadequada" e "em contradição" com sua política.

As palavras de Mori também motivaram a retirada de centenas de voluntários japoneses inscritos para ajudar na organização dos Jogos e de corredores que iam participar do revezamento da tocha olímpica no Japão, cujo percurso está programado para o final de março.

O principal favorito para suceder Yoshiro Mori é o ex-técnico da seleção japonesa de futebol, Saburo Kawabuchi, que atualmente ocupa o cargo de assessor do comitê organizador e chefe da Vila Olímpica de Tóquio, segundo a emissora estatal "NHK".

Kawabuchi, de 84 anos, foi um dos promotores da profissionalização do futebol japonês na década de 1990 e participou como jogador dos Jogos de Tóquio em 1964. (EFE)

Veja também: Relembre mulheres pioneiras no esporte

Últimas