Tóquio 2020

Olimpíadas Isac é o reserva gigante do Brasil na busca de mais um ouro no vôlei

Isac é o reserva gigante do Brasil na busca de mais um ouro no vôlei

Ao R7, o jogador falou sobre autoaceitação com a ajuda do esporte e que tentou carreira no futebol; atleta faz sua 1ª Olimpíada

  • Olimpíadas | Hysa Conrado, do R7

Isac tem 2,08m e uma grande impulsão

Isac tem 2,08m e uma grande impulsão

Jonne Roriz/COB - 24.07.2021

O jogador de vôlei Isac Viana, de 30 anos, até tentou esconder seus 2,08m de altura quando era adolescente. Mas, gigante dentro e fora das quadras, o talento falou mais alto. O atleta é uma das novas promessas da seleção masculina de vôlei na Olimpíada de Tóquio

Atualmente, o carioca de São Gonçalo divide a posição de mais alto do time junto com o experiente Lucão, e joga como central na equipe. Isac é uma arma importante para entrar durante os jogos das fases decisivas da competição. Ao R7, ele contou que a prática do esporte foi decisiva para sua autoaceitação.

“No começo era difícil porque meus amigos eram mais baixos, então eu tentava me esconder um pouco, me encolher, mas sempre ficava em evidência. Já em contato com o volêi e com pessoas que eram da mesma altura, eu não tive mais problemas. Acho que eu deixei a vergonha de lado um pouquinho e entendi que eu era diferente, podia usar isso como benefício do esporte e para mim mesmo”, relembra.

O vôlei foi a escolha mais acertada da minha vida.

Isac Viana, jogador da seleção masculina de vôlei

Isac reforça o bloqueio no meio de rede

Isac reforça o bloqueio no meio de rede

Antes de cruzar o caminho com o voleibol, assim como todo menino brasileiro, Isac tentou primeiro o futebol. Aos nove anos ele treinava como goleiro, porém, mais uma vez, a altura chegou na frente e mudou os planos.

“Mudei para o vôlei aos 12 anos porque comecei a ficar muito alto, então para goleiros já era mais difícil”, conta o atleta. “Mas eu gostei muito e não pensei duas vezes em largar o futebol. Acho que o vôlei foi a escolha mais acertada da minha vida”.

Apesar de encarar pela primeira vez a disputa por uma medalha olímpica, Isac integra a seleção brasileira desde 2013 e, em 2019, foi campeão da Copa do Mundo com a camisa verde e amarela. Além disso, foi prata no Campeonato Mundial em 2018 e na Liga Mundial em 2013.

Na carreira, a soma de vitórias do jogador é muito maior: ele é tricampeão Mundial de Clubes, hexacampeão Sul-Americano, pentacampeão da Superliga, tricampeão da Supercopa, pentacampeão da Copa Brasil e heptacampeão Mineiro. Atualmente, Isac joga como central no time Sada Cruzeiro.

Estamos para brigar e disputar a medalha, eu acredito muito nisso.

Isac Viana, jogador da seleção brasileira de vôlei

Para os Jogos Olímpicos de Tóquio, o atleta acredita na medalha e garante que está firme na disputa. “Nossa equipe é experiente e vem crescendo a cada jogo, sabemos da responsabilidade que temos. Estamos para brigar e disputar a medalha, eu acredito muito nisso”, afirma.

Ele destaca que poder contar com o técnico Renan Dal Zotto no comando da equipe brasileira é um combustível a mais na competição. “Mas não vamos nos deixar levar só pela responsabilidade, mas curtir esse momento que é muito especial, a gente sabe o que é uma Olimpíada e tudo que passamos para chegar até aqui”, afirma.

Conheça os 12 convocados para a disputa do vôlei masculino

Últimas