Tóquio 2020

Olimpíadas Era preciso mais: Natação do Brasil espera voltar ao pódio olímpico

Era preciso mais: Natação do Brasil espera voltar ao pódio olímpico

Léo de Deus revelou bronca sobre frase na Rio 2016 e se disse no melhor nível técnico para conquistar medalha nos 200 m borboleta

  • Olimpíadas | André Avelar, do R7, em Tóquio, no Japão

Léo de Deus, de 30 anos, está em sua terceira edição de Jogos Olímpicos

Léo de Deus, de 30 anos, está em sua terceira edição de Jogos Olímpicos

Jonne Roriz/Divulgação/COB - 14/7/2021

Assim que deixou a piscina na Rio 2016, Leonardo de Deus escancarou que a natação brasileira precisava fazer mais para subir no pódio dos Jogos Olímpicos. Agora em Tóquio 2020, o nadador revela que levou uma bronca pela declaração da época e confia em bons resultados da seleção.

A natação de piscina, que havia conquistado medalhas nas duas edições anteriores, frustrou a torcida da casa e acabou sem medalhas — Poliana Okimoto, na maratona aquática do mar de Copacabana, ainda que ficou com o bronze.

Este ano são 26 atletas classificados (10 mulheres e 16 homens), sendo 16 estreantes mas, mais do que isso, a expectativa por medalhas e finais, como Léo admitiu. Segundo o nadador, as críticas ficaram no passado e a preparação foi melhor do que há cinco anos.

“Até tomei um esporro depois dessa entrevista que eu dei [que era preciso fazer mais], mas foi o meu pensamento. A gente sabia que se eu tivesse feito o meu melhor, seria quinto lugar. Sabia que poderia ter feito muito mais. Saímos sem medalhas e em poucas finais”, lembrou Léo, em sua terceira Olimpíada.

Natação brasileira está treinando em Sagamihara, a 45 km da capital japonesa

Natação brasileira está treinando em Sagamihara, a 45 km da capital japonesa

Jonne Roriz/Divulgação/COB - 15/7/2021

“A natação brasileira vem bem, vem renovada, mas esse Jogos Olímpicos vão servir como um divisor de águas para a gente buscar fazer o que a gente não fez na Rio 2016. Sinto que estou na minha melhor forma física e mental para fazer o melhor Jogos Olímpicos da minha carreira", disse o atleta, que treina com a seleção no centro aquático de Sagamihara, a 45 km de Tóquio.

Os principais atletas da delegação brasileira, já com medalhas em Mundiais, são: Bruno Fratus (50 m livre), o próprio Léo (200 m borboleta) e Guilherme Guido (100 m costas); os revezamentos também são esperanças de medalha. 

Chefe da natação em Tóquio, Renato Cordani concordou com as expectativas do atleta. Ainda assim, ele preferiu ressaltar o nível técnico da competição que acontecerá de 24 deste mês a 1º de agosto, no Centro Aquático de Tóquio.

“A gente acha que o nível técnico vai ser muito forte. Os tempos ficaram represados, sem piscina para treinar em 2020. Aqui nos treinos, nas seletivas, o pessoal está muito bem. Estamos confiante, sabendo que o nível técnico será à altura dos Jogos Olímpicos”, disse Cordani.

Últimas