Olimpíadas Comunidade do polo aquático critica postura racista de jornalista

Comunidade do polo aquático critica postura racista de jornalista

‘Trata-se de uma das formas mais perigosas de racismo’, disse Rudá Franco, atleta que representou o Brasil na Rio 2016 sobre episódio com Leonel Diaz

  • Olimpíadas | André Avelar, do R7

Diaz, do polo aquático do Pinheiros, foi confundido com pegador de bolinhas

Diaz, do polo aquático do Pinheiros, foi confundido com pegador de bolinhas

Reprodução/Instagram @leoneldiazwp12

O comentário feito pelo apresentador Rodrigo Bocardi, da TV Globo, revoltou a comunidade do polo aquático brasileiro. Atletas da seleção e o presidente da PAB (Liga Brasileira de Polo Aquático) criticaram o profissional nesta sexta-feira (7) por fala considerada racista.

Em uma reportagem no Bom Dia São Paulo, o jornalista perguntou se o entrevistado era catador de bolinhas no Esporte Clube Pinheiros. Leonel Diaz, que é negro, é atleta do polo aquático do tradicional clube. Mais tarde, Bocardi disse que não foi racista e foi mal-interpretado.

Para Gustavo Guimarães, o Grummy, um dos principais atletas do time verde-amarelo, a postura do apresentador foi lamentável com relação a uma jovem promessa do esporte. Diaz é cubano de nascimento e sobrinho de Bárbaro Diaz, técnico do Club Athletico Paulistano, outro tradicional formador de talentos em São Paulo. 

Grummy lamentou episódio

Grummy lamentou episódio

Reprodução/Instagram/@grummy11

“Preconceito em pleno 2020. O moleque é superesforçado, universitário, jogador de polo aquático e ainda tem que passar por isso. Muito triste”, escreveu Grummy nas redes sociais, medalha de prata (Toronto 2015) e bronze (Lima 2019) nos Pan-Americanos.

“Trata-se de uma das formas mais perigosas de racismo. O estrutural. Esse tipo de prática, hábito e falas embutidas em nossos costumes e que promove, direta ou indiretamente, a segregação ou o preconceito racial”, completou Rudá Franco, que disputou os Jogos Olímpicos Rio 2016 pela seleção.

O presidente da PAB, Alessandro Moscal Checchinato, foi além e disse que conversou com Bocardi após o episódio. Na conversa, a entidade convidou o jornalista e sua produção a conhecer mais sobre o polo aquático e seus vários projetos sociais.

“Nossos atletas, toda comunidade e imprensa estão amplamente repercutindo o fato negativo, que em nada engrandece o esporte e o polo aquático. Nós repudiamos qualquer manifestação preconceituosa, seja de classe, gênero, credo ou raça”, disse o presidente.

Curta a página de Esportes do R7 no Facebook

Conheça o jogador de polo aquático 'confundido' com gandula na TV

Últimas