Tóquio 2020

Olimpíadas Com 36 medalhas olímpicas, judô e natação tentam voltar a brilhar

Com 36 medalhas olímpicas, judô e natação tentam voltar a brilhar

Modalidades estão entre as que mais deram alegrias ao torcedor brasileiro na história dos Jogos. Expectativa é por novas medalhas

Ouro no Pan de 2019, Guilherme Costa é esperança brasileira nos 400m livre

Ouro no Pan de 2019, Guilherme Costa é esperança brasileira nos 400m livre

Wander Roberto/COB

Os Jogos Olímpicos de Tóquio oficialmente começaram. E enquanto muitas modalidades ainda esperam sua vez, algumas outras já estão sendo disputadas, caso de duas que costumam dar muitas alegrias ao Brasil. O judô, que começa nesta sexta (23) e a natação, com a "largada" dada neste sábado (24).

O primeiro brasileiro a entrar na água em Tóquio 2020 é Guilherme Costa, nos 400 metros livre. Ele está na bateria 4 da fase de classificação. Pouco tempo depois, é Caio Pumputis quem disputa os 100 metros peito. Um pouco mais tarde, as meninas do Brasil disputam a eliminatória dos 4x100m livre. Todas as provas acontecem durante a manhã (horário de Brasília).

A modalidade já deu 14 medalhas olímpicas ao Brasil na história, sendo 9 bronzes, 4 pratas e 1 ouro, conquistado por Cesar Cielo em 2008. No Rio de Janeiro, em 2016, a única medalha brasileira na natação foi na maratona aquática, com Poliana Okimoto. Ela conquistou o bronze.

Na noite anterior, o judô brasileiro entra em ação. Com 22 medalhas no total, sendo 4 ouros, 3 pratas e 15 bronzes, o judô é o esporte individual que mais deu medalhas ao país e, no primeiro dia de disputas, será representado por Gabriela Chibana, que enfrenta Harriet Bonface, de Malawi na categoria até 48kg e, mais tarde, por Eric Takabatake, que desafia Soukphaxay Sithisane, de Laos, entre os homens até 60kg.

Antes da estreia olímpica, astros do surfe pegam pesado na academia

Últimas