Olimpíadas COI anuncia time de refugiados com 29 atletas para Tóquio 2020

COI anuncia time de refugiados com 29 atletas para Tóquio 2020

Delgação vai estar presente em 12 modalidades, como atletismo, badminton, boxe, canoagem, judô, entre outros esportes

Agência Estado - Esportes
Tóquio 2020 terá 29 atletas refugiados na disputa por uma medalha em 12 modalidades

Tóquio 2020 terá 29 atletas refugiados na disputa por uma medalha em 12 modalidades

Kimimasa Mayama / EFE - EPA - 25.5.2021

A pouco menos de 50 dias para a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 — adiados em um ano por causa da pandemia do novo coronavírus —, marcada para 23 de julho, o COI (Comitê Olímpico Internacional) anunciou nesta terça-feira (8) a lista do time de refugiados para o evento no Japão. São 29 atletas convidados, um número quase três vezes maior do que o da estreia da delegação, com 10 representantes no Rio-2016.

"Parabéns a todos. Falo em nome de todo o Movimento Olímpico quando digo que mal podemos esperar para conhecê-los pessoalmente e vê-los competir em Tóquio. Quando você, a Equipe Olímpica de Refugiados do COI e os atletas de comitês olímpicos nacionais de todo o mundo, finalmente reunidos em Tóquio em 23 de julho, enviarão uma mensagem poderosa de solidariedade, resiliência e esperança ao mundo. Você é parte integrante de nossa comunidade olímpica e damos as boas-vindas de braços abertos", disse o alemão Thomas Bach, presidente do COI, aos refugiados selecionados.

O time é para o COI uma mensagem de solidariedade aos 80 milhões de refugiados em todo o mundo. A entidade dá suporte a 55 atletas com status de refugiados reconhecido pela ONU (Organização das Nações Unidas), sendo que 29 deles foram selecionados para competir em Tóquio.

O time de refugiados vai estar presente em 12 modalidades: atletismo, badminton, boxe, canoagem, ciclismo, judô, caratê, tae kwon do, tiro, natação, levantamento de peso e wrestling (luta olímpica). Entre os selecionados está o judoca congolês Popole Misenga, que mora no Brasil e pela segunda vez vai ser acolhido pela delegação brasileira. Ele também esteve na estreia nos Jogos do Rio-2016.

A delegação do time de refugiados vai ser a segunda a desfilar na abertura da Olimpíada, no estádio Nacional, em Tóquio, logo depois da Grécia, fundadora dos Jogos na antiguidade. Os atletas refugiados vão competir sob a bandeira do COI e vão escutar o hino olímpico no pódio caso sejam campeões.

Brasil apresenta uniforme da delegação para Tóquio 2020

Últimas