Tóquio 2020

Olimpíadas Brasileiro que luta pelo Líbano fala em deixar judô, após nova polêmica

Brasileiro que luta pelo Líbano fala em deixar judô, após nova polêmica

Ele afirmou que foi impedido de lutar com seu próprio quimono, voltando a reclamar da organização, como fez na Rio 2016

  • Olimpíadas | Eugenio Goussinsky, do R7

Nacif Elias levou golpe após buscar a vitória

Nacif Elias levou golpe após buscar a vitória

Jack GUEZ/AFP/27-07-21

Aquela que poderia ser a volta por cima do judoca Nacif Elias, 32 anos, brasileiro que representa o Líbano, acabou se tornando mais uma frustração. Desta vez, na disputa na categoria até 81 kg, ele se queixou dizendo que a organização não permitiu que competisse com o seu próprio quimono. Elias foi derrotado em sua primeira luta em Tóquio 2020.

Segundo a assessoria de Elias, o argumento da Federação Internacional de Judô foi o de que a vestimenta não estava branca segundo os padrões olímpicos.

Em 2016, nos Jogos do Rio de Janeiro, Elias já havia sido desclassificado logo em sua estreia diante do argentino Emmanuel Lucenti, por ter aplicado um golpe considerado irregular. Na ocasião, indignado, ele se recusou a deixar o tatame.

Desta vez, Elias, que já defendeu a seleção brasileira, seguiu a determinação e relata ter disputado com um quimono que não era o seu.

Acabou sendo eliminado da Olimpíada de Tóquio 2020 novamente na estreia, em luta ocorrida no início da madrugada desta terça-feira (27), na Arena Nippon Budokan.

Ele foi derrotado pelo sul-coreano Sungho Lee. O combate começou com os dois competidores se analisando, o que provocou uma punição (shidô) por falta de combatividade para ambos.

Elias, medalha de prata nos Jogos Asiáticos de 2014, ainda foi punido mais uma vez, de uma maneira questionável, porque tentava iniciar um golpe. A luta, então, ficou mais solta e Elias recebeu um wazari. Na busca desesperada da igualdade, acabou levando um ippon.

Novamente insatisfeito com o resultado, o atleta, que, durante a pandemia já havia ingressado em outras áreas de atuação, como o marketing digital, afirmou que pensa em parar de competir.

“Só quem é lutador ou esportista sabe que quando você não luta com seu material de trabalho é diferente. Lutei com um quimono grande que estava na arara dos jogos. Competi com o coreano que disputa bem a pegada, mas durante o combate ele só andou para trás, esse era o jogo dele, sair e colocar golpe, e por conta de o quimono ser grande, eu não consegui estabelecer uma boa pegada, chegar junto. Mas agradeço a todos pelo carinho, mensagens e apoio. Infelizmente, não foi o meu dia, não sei se irei continuar fazendo judô, talvez eu me aposente.”, disse Elias, em um vídeo nas redes sociais.

Últimas