Tóquio 2020

Olimpíadas 80% dos brasileiros na Olimpíada de Tóquio recebem Bolsa Atleta

80% dos brasileiros na Olimpíada de Tóquio recebem Bolsa Atleta

Programa de auxílio ao esporte do Governo Federal contempla 242 dos 302 atletas brasileiros que competem nos Jogos Olímpicos

A ginasta Rebeca Andrade fez história ao conquistar um ouro e uma prata em Tóquio

A ginasta Rebeca Andrade fez história ao conquistar um ouro e uma prata em Tóquio

Lindsey Wasson/Reuters - 02/08/2021

Para além das medalhas olímpicas conquistadas nos Jogos de Tóquio, nomes como o de Rebeca Andrade, Mayra Aguiar, Bruno Fratus e Pedro Barros compartilham entre si o apoio do Bolsa Atleta, o programa de patrocínio esportivo do Governo Federal. Dos 302 atletas brasileiros que disputam esta Olimpíada, 242 estão amparados pelo auxílio, o que equivale a 80% da delegação.

A marca do programa, que existe desde 2005, atravessa todas as 35 modalidades olímpicas em que o Brasil competiu este ano, com exceção da seleção masculina de futebol, que não é contemplada pelo programa. Em pelo menos 19 modalidades, 100% dos atletas são bolsistas.

Nesta edição dos Jogos Olímpicos, o Brasil já igualou o recorde de medalhas conquistadas na Rio 2016, somando 19 com possibilidades de subir mais vezes ao pódio até o dia 8 de agosto, quando se encerram as competições. 

A judoca Mayra Aguiar fez história ao se tornar a primeira mulher a conquistar três medalhas olímpicas em um esporte individual, já Rebeca Andrade se consagrou como a primeira brasileira a subir no pódio feminino na ginástica artística.

Do bronze ao ouro, 14 medalhas vieram de atletas contemplados pelo programa: Ítalo Ferreira, ouro no surfe; Martine Grael e Kahena Kunze, ouro na vela; Ana Marcela Cunha, ouro na maratona aquática; Kelvin Hoefler, prata no skate; Alison dos Santos, bronze no atletismo; Thiago Braz, bronze no salto com vara; Daniel Cargnin, bronze no judô; Fernando Scheffer, bronze na natação; Luisa Stefani, bronze no tênis. 

Grande parte dos medalhistas recebem a bolsa Pódio, principal categoria do programa, reservada para atletas que figuram entre os 20 melhores do mundo na sua modalidade. O auxílio para eles, segundo o Ministério da Cidadania, pode variar entre R$ 5 mil e R$ 15 mil e o valor é definido de acordo com o resultados apresentados nas competições.

Atualmente, mais de 7 mil atletas são alcançados pelo programa no Brasil, sendo que 1.637 são de modalidades paralímpicas. Segundo a Secretaria Especial do Esporte da pasta, anualmente o investimento do Governo Federal no esporte brasileiro supera a marca de R$ 745 milhões, somados todos os repasses da Lei das Loterias, Lei de Incentivo ao Esporte e Bolsa Atleta.

“O Governo Federal tem sua participação marcante dentro do cenário nacional do esporte com a Bolsa Atleta, a Bolsa Pódio, a Lei de Incentivo, a presença das Forças Armadas, isso tudo consolida um suporte indispensável que se soma aos esforços do COB com seus recursos”, afirmou o presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil), Paulo Wanderley.

Últimas