O ranking mundial após a vitória de Gabriel Medina

Nosso brasileiro Gabriel Medina assumiu a ponta do ranking e busca mais um título mundial, seguido de Filipe Toledo na segunda colocação. A diferença entre os dois porém é muito pequena, míseros 295 pontos e faltam 3 etapas pela frente, logo tudo pode mudar. Saiba como ficou o ranking mundial após a vitoria de Gabriel …

Nosso brasileiro Gabriel Medina assumiu a ponta do ranking e busca mais um título mundial, seguido de Filipe Toledo na segunda colocação.

A diferença entre os dois porém é muito pequena, míseros 295 pontos e faltam 3 etapas pela frente, logo tudo pode mudar.

Livre Surf

Livre Surf

Livre Surf
Saiba como ficou o ranking mundial após a vitoria de Gabriel Medina

Após um final de semana de grandes emoções na oitava etapa do circuito mundial de surf, Gabriel Medina assumiu a ponta do ranking mundial.

Só no domingo, foram 10h de surf com pequenas pausas para o almoço e lanches, mas este ano a etapa da Piscina mostrou-se mais empolgante, principalmente na sua final.

Filipe Toledo, que competiu machucado, terminou na segunda colocação a etapa e desceu uma posição no ranking, ficando na segunda colocação.

Ele perdeu portanto a lycra amarela do líder para o bicampeão mundial Gabriel Medina.

Saiba tudo que rolou na etapa do Freshwater Pro clicando aqui.

Entre os 5 melhores no ranking, temos atualmente 3 brasileiros na disputa:

Italo Ferreira aparece na quinta colocação com 34.600 pontos, o norte americano Kolohe Andino é o quarto com 36.505 pontos, o sul africano Jordy Smith é o terceiro com 40.195 seguido de Filipe Toledo na segunda colocação com 44.400 pontos, uma pequena diferença de 295 pontos do líder Gabriel Medina que tem 44.695 pontos.

Filipe Toledo

Filipe Toledo

Livre Surf
Filipe Toledo

Devido as performances dos atletas até a oitava etapa, pode-se dizer que o Brasil vem tomando conta do circuito mundial e que será muito difícil este ano o título não ficar com um de nossos brasileiros.

Quais as perspectivas a partir de agora

Faltam 3 etapas para o fim do campeonato mundial de surf em 2019:

França Portugal Pipemasters

Filipe Toledo tem um histórico de instabilidade nestas três últimas etapas, no ano passado ficou em 13º lugar nas três, em anos anteriores, chegou a ganhar a de Portugal, mas foi mal nas outras duas. Toledo vai depender de resultados constantes nestas três últimas para conseguir ser campeão mundial. Particularmente, ainda assim acredito nele.

Jordy Smith, tem altos e baixos nas últimas, nunca ganhou nenhuma delas mas conseguiu uma média de resultados históricos melhor que de Filipe Toledo, este ano vem criando uma séries de resultados positivos que o deixaram em terceiro lugar. É um candidato real a ser uma pedra no sapato se Medina tropeçar.

E Medina não pode tropeçar, ele tem duas 17º posições, que devem ser seus descartes, ainda pode se confirmar o retorno de John John Florence para Pipemasters o que pode atrapalhar a caça por pontos na última etapa.

Abaixo Ranking atualizado após última etapa E as Olimpíadas

Embora as vezes nos peguemos olhando apenas para o Ranking do CT, este ano a mídia e de forma especial a mídia não surfista vive nos questionando acerca das Olimpíadas.

Pelo ranking da WSL os dois melhores de cada país em 2019 classificam-se para 2020.

Para o Brasil, o resultado parece definido, salvo se Filipe Toledo tropeçar e Italo vencer uma etapa, ou for muito constante nas próximas três.

Gabriel Medina e Filipe Toledo em Tokio é garantia de show e motivo de temor para qualquer adversário.

Para os norte americanos o cenário é outro, Kolohe aparece distante de todos e com a vaga praticamente garantida. John John Florence, lesionado e sem pontuar nas últimas três etapas segura sua vaga nas pontuações conquistadas no início do ano.

E a situação de Kelly Slater torna-se dramática, ele precisa chegar no Top 5 das próximas disputas, mas desde Margareth River ele tem ficado abaixo disso.

Atualmente Kelly possui 25.705 e John John Florence 32.955. Em algumas fontes, o careca já pensa em usar sua ascendência armênia para conseguir a vaga, ter sua bandeira nas olimpíadas e seu hino entoado em uma bateria do surf, o país que não tem nem saída para o mar jamais deve ter imagina isso.

Dentre os australianos Owen Wright e Julian Wilson mantém sua posição com uma distante ameaça de Ryan Callinan.

A LivreSurf torce para que um de nossos brasileiros seja o campeão mundial de 2019.

#estamosnatorcida.