Mais de 160 grupos pedem ao COI que revogue Jogos de Inverno de Pequim em 2022

OLIMP-INVERNO-REVOGACAO:Mais de 160 grupos pedem ao COI que revogue Jogos de Inverno de Pequim em 2022

PEQUIM (Reuters) - Mais de 160 grupos de defesa dos direitos humanos entregaram uma carta conjunta ao chefe do Comitê Olímpico Internacional (COI) pedindo que reconsidere a escolha da China como sede dos Jogos de Inverno de 2022 devido ao histórico de direitos humanos de Pequim.

É o maior esforço coordenado após vários meses de apelos semelhantes de grupos de direitos individuais e ocorre no momento em que Pequim está enfrentando uma reação internacional cada vez maior devido a suas políticas, incluindo o tratamento de uigures em Xinjiang e novas leis de segurança em Hong Kong.

"O COI precisa reconhecer que o espírito olímpico e a reputação dos Jogos Olímpicos sofrerão ainda mais danos se o agravamento da crise dos direitos humanos, em todas as áreas sob o controle da China, for simplesmente ignorado", disse a carta, divulgada na terça-feira.

A carta argumenta que o prestígio das Olimpíadas de Pequim 2008 encorajou o governo a tomar outras ações, incluindo programas visando os uigures de Xinjiang e outras políticas étnicas.

O Ministério das Relações Exteriores da China criticou a carta como uma tentativa de politizar o esporte.

Entre os signatários da carta estão grupos de direitos humanos uigures, tibetanos, de Hong Kong e da Mongólia baseados na Ásia, Europa, América do Norte, África e Austrália.

Em resposta a uma pergunta da Reuters sobre a carta, o COI disse que permanece neutro em questões políticas globais, e que atribuir os Jogos Olímpicos a um comitê nacional "não significa que o COI concorde com a estrutura política, circunstâncias sociais ou padrões de direitos humanos no país".

(Por Cate Cadell; reportagem adicional de Stephanie Nebehay em Genebra e Gabriel Crossley em Pequim)