Por economia, Atlético-MG inicia desmanche da equipe de transição

O clube já está fazendo dispensas e o projeto, criado este ano, não deve ter sequência, de acordo com informações da diretoria, neste domingo (3)

Diretoria do Atlético Mineiro extingue equipe de transição

Diretoria do Atlético Mineiro extingue equipe de transição

Lance

Em fase de economia e adaptações ao cenário nebuloso da pandemia do novo coronavírus, o Atlético-MG pode tomar outra medidas que visa reduzir custos, além do corte de 25% dos salários de atletas, comissão técnica e funcionários: encerrar as atividades do time de transição, criado para abrigar jogadores que já passaram da idade de atuar pelos times de base, mas sem ter chances na equipe principal.

Leia também: Federação se reposiciona e vê volta do futebol em MG apenas em junho

A ideia do time de transição, criado no início deste ano pelo então diretor de futebol Rui Costa em parceria com a diretoria de base do Galo, é manter em atividade esses atletas, que podem render negociações para o clube e até aproveitar algum jogador que porventura venha a se destacar.

Um dos indícios de um possível fim deste “segundo time” é a dispensa do atacante Mateus Criciúma, de 21 anos, que teve o seu contrato rescindido. Mateus estava no alvinegro desde 2019 e atuou somente pela equipe sub-20, sendo emprestado para o Vila Nova-GO este ano.

Outro jogador que deixou o time de transição foi o meia Gabriel Pires, que retornou ao Paraná Clube, também pelo desmonte do time de transição.

Mais quatro jogadores devem deixar o Atlético-MG e sua equipe de transição: o meia Kevin Pereira, de 20 anos, e os atacantes Matheus Porto, Lucas Índio e Lucas Mineiro, todos com 21 anos.

O elenco de transição não chegou a ser utilizado em nenhuma oportunidade, já que o propósito era realizar amistosos para manter os jogadores em atividade e serem observados pela comissão técnica do time principal. Com Jorge Sampaoli e Alexandre Mattos, o projeto está perto do fim.