Lance Pioneira, jurada transgênero vai julgar filha em prova da canoagem nos Jogos Olímpicos

Pioneira, jurada transgênero vai julgar filha em prova da canoagem nos Jogos Olímpicos

Kimberly Daniels, mãe de Haley, é a primeira árbitra que declaradamente fez a transição a participar das Olimpíadas

Lance
  • Lance | por Lance

Lance

Lance

Lance

Os Jogos Olímpicos de Tóquio vão simbolizar a inclusão e também a relação familiar. Kimberly Daniels, primeira jurada declaradamente transgênero da competição, vai julgar a sua filha Haley Daniels na prova de canoagem slalom, nesta quarta-feira, às 00h50 (horário de Brasília).


+ Emocionado, Italo Ferreira celebra medalha de ouro no surfe: 'Meu nome está escrito na história'


Kimberly participou das Olimpíadas Rio-2016 como jurada. De acordo com o site "ge", ela fez a transição de gênero há pouco tempo e não esperava chegar ao Japão como mulher. Porém, com o adiamento dos Jogos por conta da pandemia do novo coronavírus, Daniels conseguiu fazer a transformação antes da realização da competição.

Destacando a importância de sua filha na luta, Daniels entende da importância de sua participação e representatividade num evento deste porte.

- Acho que sou uma pioneira hoje, mas eu realmente esperava sair e ficar quieta. Meu objetivo sempre foi ser vista como mulher, agora tenho que me ver como uma mulher transgênero e isso também é um grande passo. Minha filha tem lutado pela igualdade de gênero na maior parte de sua carreira na canoagem - disse.

+ Natação: Leonardo de Deus se classifica à final dos 200m borboleta

A jurada tem um exemplo dentro dos Jogos Olímpicos: a halterofilista Laurel Hubbard, da Nova Zelândia, será a primeira mulher trans a competir em Jogos Olímpicos, na categoria até 87 kg.

- Tenho 1,80m, mãos enormes e costumava jogar futebol. Por outro lado, perdi muita massa muscular (com a transição). Acho importante que as pessoas expressem quem são - afirma Kimberly.

O COI, Comitê Olímpico Internacional, não impõe restrições a juízes ou atletas transgêneros masculinos. Já as mulheres trans, desde 2015, podem competir em eventos femininos se seus níveis de testosterona forem compatíveis com atletas nascidas mulheres.

Veja abaixo o quadro de medalhas e o calendário dos Jogos Olímpicos de Tóquio:

Últimas