Tóquio 2020

Lance Medina culpa falta de agenda após não se vacinar contra covid-19

Medina culpa falta de agenda após não se vacinar contra covid-19

Surfista brasileiro, quarto colocado em Tóquio 2020, teve quatro oportunidades de se imunizar, mas não aproveitou nenhuma

Lance
  • Lance | por Lance

Medina se pronuncia após não se vacinar contra a covid-19 e culpa a falta de agenda

Medina se pronuncia após não se vacinar contra a covid-19 e culpa a falta de agenda

Lance

O surfista Gabriel Medina já teve pelo menos quatro oportunidades de se vacinar contra Covid-19. Três delas foram antes mesmo dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, ao vir sem a proteção ele contrariou as recomendações do COI (Comitê Olímpico Internacional). Ele ainda pôde se imunizar em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, onde a vacinação já está no estágio de todos acima de 18 anos. Mas o surfista justificou dizendo que o calendário de competições impedia ele de ter tempo para se vacinar.

Em maio, quando as imunização promovida pelo COI começou, Medina disputava a primeira perna do Circuito Mundial da WSL, na Austrália. Depois seguiu para uma das eliminatórias para os Jogos Olímpicos, que foi os ISA Games, o Campeonato Mundial Amador de surfe em El Salvador, na América Central. De lá ele seguiu para mais uma etapa da WSL, na Califórnia, nos Estados Unidos, só que no país já estava disponível a vacinação de qualquer visitante.

Mas o atleta não aproveitou a oportunidade e voltou para o Brasil, onde aconteceram duas rodadas de vacinação na região onde morava, nos dias 5 e 12 de julho. Mas também houve uma forte pressão do governo japonês para que todos os atletas já viajassem imunizados. Porém por não ser obrigatória para disputar as Olimpíadas, Medina pôde competir normalmente nos Jogos Olímpicos de Tóquio. E mesmo depois de competir o brasileiro não procurou se vacinar.

O surfista ainda reclamou em uma live nas redes sociais o fato de não poder participar da etapa mexicana depois de ir para última etapa da temporada do Mundial de Surfe, em Teahupo'o, no Taiti. Já que período de isolamento é obrigatório para competir.

- Eu não vou para Teahupoo porque eu não tomei a vacina e aí tem que fazer 10 dias de quarentena. Aí não dá tempo de ir do México, que é uma seguida da outra. Aí vou ser obrigado a não ir. Sacanagem. Mas de boa.

Relembre os casos famosos de doping de atletas brasileiros

Últimas