Copa América 2019
Futebol 'Vitória para todos', diz Conmebol sobre uso do VAR na Copa América

'Vitória para todos', diz Conmebol sobre uso do VAR na Copa América

Wilson Luiz Seneme exalta trabalho da arbitragem e diz que, apesar da autorização da IFAB, goleiros não serão punidos se adiantarem em pênaltis

Copa América 2019, uso do VAR

'Não houve nenhum escândalo', valoriza Seneme

'Não houve nenhum escândalo', valoriza Seneme

Divulgação/Vinícius Faustini

Em evento na manhã desta terça-feira, no Rio de Janeiro, no qual fizeram um balanço da primeira fase da Copa América, a Conmebol e o COL (Comitê de Organização Local) foi destacado uma evolução na arbitragem do torneio. O presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol, Wilson Luiz Seneme, apontou:

- Desde que houve a implementação do uso do VAR, em 2017, tivemos uma evolução. Estamos muito satisfeitos em relação à arbitragem na Copa América. Foi uma vitória para todos. Os árbitros de campo estão assumindo a responsabilidade de maneira forte, o VAR só auxilia a fazer justiça.

Em seguida, Seneme apontou:

- Não houve nenhum escândalo. Isto é muito importante para a arbitragem.

Seneme falou sobre o aumento de pênaltis assinalados no primeiro torneio com o uso do VAR:

- Sim, tem um aumento, mas não é tão evidente. O VAR não é só uma questão de garantia, mas de confirmação das decisões.

Veja mais: A Seleção inocentou Neymar. Ninguém acredita em Najila

Questionado sobre a polêmica em torno do pênalti marcado em Cavani no duelo entre Uruguai e Japão, o dirigente foi categórico:

- Foi uma ação temerária. Avaliar que aquele lance não foi pênalti é um erro de um comentarista. Não tenho a menor sombra de dúvida quanto ao acerto. Inclusive, liguei para um ex-árbitro e disse que ele seria reprovado no "videoteste" se não marcasse aquele pênalti.

Wilson Seneme também divulgou um balanço sobre a arbitragem. Nos 18 jogos, houve 17 intervenções da arbitragem, 15 mudanças de decisão e duas decisões mantidas. Seis dos lances foram factuais (nos quais o árbitro não precisa revisar) e 11 nos quais o árbitro teve de ir ao monitor para decidir.

Veja mais: Reclamações de gramado da Arena são endossadas por Renato: 'Não se encontra nas melhores condições'

Houve também uma média de 2m26s de paralisação em cada jogo. Em relação às 17 revisões, três foram por cartão vermelho, sete por revisões de pênalti, outra sete por revisão de gol e nenhuma por confusão de identidade. Seis jogos não precisaram do auxílio do VAR.

O ex-árbitro ainda divulgou que a Copa América adotará o mesmo critério da Copa do Mundo feminina sobre cartões aplicados a goleiros em cobranças de pênalti. Não haverá aplicação de cartões a quem se adiantar.

- A IFAB concedeu uma permissão à Fifa para evitar cartões amarelos aos goleiros que se adiantarem em cobranças de pênalti. A Conmebol solicitou o mesmo para a Copa América, para termos o mesmo critério do Mundial Feminino. E a IFAB nos concedeu.

Veja mais: Público baixo, Argentina no sufoco e VAR: o resumo da Copa América

Além de Wilson Luiz Seneme, estiveram presentes no evento foram Agberto Guimarães, diretor de operações do COL, Thiago Januzzi, gerente geral de competição do COL e Hugo FIgueiredo, diretor de competições da Conmebol.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Tempo de férias! Veja o destino de boleiros na parada da Copa América