Morre Maradona

Futebol Uso de drogas deixou Maradona com 'coração de boi', explica médico

Uso de drogas deixou Maradona com 'coração de boi', explica médico

Com vida desregrada, ídolo argentino, que faleceu aos 60 anos, sofria com desgastes no coração: 'Não tinha força para bombear sangue com eficiência'

Lance
Maradona teve uma vida de 'excessos' e morreu aos 60 anos

Maradona teve uma vida de 'excessos' e morreu aos 60 anos

Lance

O mundo do esporte parou para homenagear o eterno camisa 10 da Argentina Diego Maradona, que morreu na última quarta-feira (25). Pouco depois de completar 60 anos, o craque faleceu em sua casa, em Tigre, cidade próxima à Buenos Aires, vítima de uma parada cardiorrespiratória. Tendo driblado muito mais que adversários em campo, Maradona vinha superando uma luta contra problemas no coração e a superação contra as drogas.

De acordo com as informações do laudo da necropsia, Maradona morreu por insuficiência cardíaca aguda. A reportagem conversou com o especialista no assunto e cardiologista Nabil Ghorayeb, médico do esporte do Hospital do Coração, em São Paulo, que revelou mais detalhes sobre a doença que vinha acompanhando o astro do futebol.

"A gente chama de edema agudo de pulmão, quando o coração não consegue bombear o sangue para a circulação de forma eficiente. O sangue se acumula no pulmão. É uma complicação final de uma doença grave chamada insuficiência cardíaca, uma doença que ele já tinha há anos. O coração dele não tinha força para bombear sangue com eficiência para o corpo", explica o especialista.

A vida de Diego dentro dos gramados sempre rendeu elogios por seus dribles e sua genialidade em campo. Contudo, fora das quatro linhas, o ex-atleta não mantinha uma vida das mais regradas. Por conta da fama, Maradona nunca escondeu seus problemas com vícios em substâncias químicas. Para o médico, a vida indisciplinada foi a grande causa do problema cardíaco.

"O que se sabe é que ele tinha uma dependência química muito grande de drogas lícitas e ilícitas, como cocaína e álcool, pelo o que se lê na imprensa. Isso provocou uma miocardiopatia dilatada, quando o músculo do coração perde a força e aumenta de tamanho. Então ele fica com o coração grande, um 'coração de boi', e perde a força. É uma situação que se pensa em transplante cardíaco, o que geralmente não se usa em caso de dependentes químicos."

O especialista afirma que as drogas podem afetar o corpo humano de diversas maneiras, dependendo do conteúdo utilizado. Para um esportista, é evidente que as substâncias podem afetar diretamente a atuação em campo. Contudo, no caso de Maradona, pelo uso de drogas ilícitas, como cocaína, o risco cardíaco era maior.

Maradona foi homenageado pelos torcedores do Napoli, onde foi ídolo

Maradona foi homenageado pelos torcedores do Napoli, onde foi ídolo

Lance

Nabil ainda ressalta que a abstinência é uma dependência de ordem psicológica e química e que, por isso, podemos afirmar que o corpo humano possui dificuldade em parar. Os efeitos que podem levar à abstinência são parecidas com as da overdose: arritmia, mal estar. Por ser um cardiopata, as complicações do não uso podem sim ter afetado a ausência de substâncias tão poderosas.

Na Copa do Mundo de 1994, o argentino chegou a ser flagrado em um teste antidoping, que verificou uma substância ilegal em seus sangue, em um momento marcante que acabou sendo seu capítulo final como jogador da seleção nacional.

Quando pendurou as chuteiras, Maradona também viveu problemas com seu peso e sempre teve no coração seu ponto fraco. O especialista do Hospital do Coração lembra que, independente da substância ingerida ou utilizada pelo ex-jogador, que era fã de charutos cubanos e não negava seu vício em cocaína, de alguma maneira elas afetaram, inclusive, seu rendimento dentro dos campos.

"Qualquer droga, como cocaína, maconha, ou as lícitas, como energéticos e anabolizantes, podem modificar a performance do atleta, variando pela quantidade, tipo de substância. Por exemplo, o anabolizante não é proibido, é um remédio. Só que, se usado em ciclo de dois meses, pode levar ao deterioramento do músculo cardíaco, aumento da pressão, entre outras lesões pelo organismo."

Maradona chegou a ficar internado por alguns dias pouco antes de falecer e teve que passar por uma cirurgia na cabeça por uma dificuldade na pressão sanguínea. Embora o laudo médico não tenha explicado a fundo o motivo da internação e poucas notícias tenham revelado o que houve com o craque, Maradona se recuperou e voltou para casa. Para o médico, ainda não é possível identificar como a preocupação com o cérebro tenha afetado nas dores no coração.

Maradona gostava de fumar charutos

Maradona gostava de fumar charutos

Reprodução/Instagram

"Não se sabe bem o que aconteceu (nesta última cirurgia no cérebro de Maradona). Ele tinha um hematoma na cabeça. Pode ser um trauma? Bateu? Foi um rompimento de um aneurisma? Não sabemos direito. O que se supõe, não era algo muito grave, porque ele estava acordado, foi decidido a data e hora, não foi uma emergência... Não tem como saber se levou à outros riscos. Ele tinha um problema cardiológico crônico. Então não foi um infarto, mas uma deficiência cardíaca."

Ex-namorada 30 anos mais nova fez Maradona morrer agoniado e triste

Últimas