Santos e Sampaoli se reencontram na Justiça; saiba como está processo

Após tentativa de conciliação realizada em fevereiro terminar sem sucesso, audiência trabalhista acontece nesta quinta-feira (10) na cidade santista

Sampaoli atualmente dirige o Atlético-MG

Sampaoli atualmente dirige o Atlético-MG

runo Cantini/Pedro Souza/Divulgação Ag. Galo

Após a vitória do Peixe por 3 a 1 contra o Atlético-MG, nesta quarta-feira (05), pela nona rodada do Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro, o Alvinegro Praiano e o técnico do Galo, Jorge Sampaoli, se reencontrarão na tarde desta quinta-feira (06), mas dessa vez nos tribunais. Ás 13h, a 5ª Vara da Justiça do Trabalho de Santos julgará o processo referente a saída do argentino do clube santista, em dezembro.

O L! teve acesso ao processo de forma integral, onde Sampaoli é o reclamante e cobra cerca de R$ 5 milhões do Santos FC. A defesa do ex-Derrotas de Sampaoli

A derrota no campo, nesta quarta-feira (05), dirigindo o Atlético-MG foi mais uma das sequentes que o treinador tem acumulado ultimamente contra o Santos.

No dia 12 de dezembro, seguinte ao da entrada do processo, Sampaoli teve o pedido de tutela antecipada negado pela juíza Elizeth José Correa, que alegou que não havia elementos para concessão da medida sem a versão da parte reclamada, bem como a falta de provas.

A solicitação da defesa do técnico embasava-se na probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.

Derrotas de Sampaoli

A derrota no campo, nesta quarta-feira (05), dirigindo o Atlético-MG foi mais uma das sequentes que o treinador tem acumulado ultimamente contra o Santos.

No dia 12 de dezembro, seguinte ao da entrada do processo, Sampaoli teve o pedido de tutela antecipada negado pela juíza Elizeth José Correa, que alegou que não havia elementos para concessão da medida sem a versão da parte reclamada, bem como a falta de provas.

A solicitação da defesa do técnico embasava-se na probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.

Defesa de Santos

Na primeira manifestação oficial, os representantes do Alvinegro no caso alegaram que Jorge Sampaoli pediu demissão no dia 9 de dezembro e nesse sentido o clube deixou de juntar o comprovante de pagamento das verbas rescisórias, pois mediante a solicitação de desligamento do treinador elas estariam zeradas.

Quanto a solicitação do valor referente a classificação santista a Libertadores deste ano, os advogados do Santos alegam que o depósito do valor só aconteceu após a saída dele do clube e que o pagamento caberia apenas em razão da sua permanência para a disputa da competição em 2020.

No dia 12 de fevereiro houve o primeiro encontro entre as partes em tentativa de conciliação, mas sem sucesso.

Nesta terça-feira (08), o Santos pediu o adiamento da audiência programada para a tarde desta quinta-feira (10), alegando que dois dias antes do compromisso judicial o clube não havia recebido o e-mail com o convite formal para a participação do seu advogado e preposto.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Meia Diego e esposa Bruna são engajados na prevenção ao suicídio