Ao L!, Spindel detalha renovação com Jesus, externa o desejo do técnico e diz: 'Não há plano B'

Diretor de futebol do Fla conversou com a reportagem do LANCE!. Ele pregou cautela, mas realçou o desejo de Jorge Jesus em renovar com o clube, 'engasgado' pelo Mundial-2019

Lance

Lance

Lance

Passaram-se os títulos da Recopa Sul-Americana e Supercopa do Brasil e a estreia na Libertadores. Agora, conforme o prometido e externado pela diretoria do Flamengo, o foco está na renovação do contrato de Jorge Jesus, um tema que causa apreensão na torcida. Com exclusividade, Bruno Spindel, diretor de futebol do clube, recebeu a reportagem do LANCE! no Ninho do Urubu e contou sobre as conversas - já iniciadas - pela extensão do vínculo do português, atualmente a encerrar em maio deste ano. Ele pregou cautela, mas realçou o desejo do técnico em permanecer.

- Já começamos as conversas. Não é algo que seja simples. É uma conversa de renovação de um contrato importante. É um treinador que o clube inteiro quer que fique, acho que ele quer também. Enfim, vocês já sabem, e o torcedor entende o que negociações desse tamanho demandam tempo e discussões dos detalhes.

- O ponto positivo é que é um desejo do treinador e um desejo do Flamengo. Agora começou. Eram muitas decisões, Recopa, Supercopa, Taça Guanabara, e agora acho que é uma boa hora para conversarmos. Quanto tempo vai levar? Se eu desse um prazo estaria mentindo. As grandes discussões de contrato, do mais alto nível, demandam tempo mesmo - emendou.

As conversas foram iniciadas, principalmente, entre Marcos Braz, vice-presidente de futebol, Spindel e o agente de Jesus, Bruno Macedo. Já de volta a Portugal, o empresário, que ainda não está totalmente com os interesses em convergência com o Rubro-Negro, é aguardado nesta quarta-feira para dar prosseguimento às negociações.








E importante: hoje, não há plano B. Ou seja, é Jesus ou Jesus para o Flamengo.

A entrevista completa, com outros temas, irá ao ar nesta terça-feira. A respeito de Jorge Jesus, todas as respostas de Bruno Spindel estão abaixo. Confira:

O empresário trouxe alguma proposta de fora por ele?
- Qualquer proposta que o treinador receba é uma coisa dele. Respeitamos. Acontece com o atleta, com todos, mas não chegou nada até nós. O que queremos é continuar a discussão para renovar o contrato dele.

As conversas, inicialmente, são apenas com o agente?
- É de conceito primeiro, com o agente. Na verdade, a primeira coisa para começar a conversa é o clube demonstrar interesse e ele demonstrar o interesse. E isso já ocorreu. Depois, discute-se o conceito e, aí, vamos para as discussões mais concretas, dos detalhes do contrato, como cláusulas e valores.

Do clube, o desejo é pela renovação até o fim do mandato do presidente Rodolfo Landim (dezembro de 2021)?
- O desejo do clube é renovar até dezembro de 2021. Do treinador, o desejo é ganhar tudo aqui. Aliás, são três coisas: o desejo de ganhar tudo; a relação e a admiração mútua dele com os atletas, pois, além do trabalho, tem um carinho, uma relação emocional entre eles; e a estrutura que o clube, com seus profissionais, presidente, Marcos (Braz), conselho de futebol, toda área do futebol, departamento médico, scout, o proporciona. Esses são fatores que fazem com que ele queira ficar. Isso é importante. E, obviamente, a paixão do torcedor. A relação que ele construiu... foi abraçado por todo mundo.

Essa relação com a torcida é o principal trunfo do Flamengo nesta negociação?
- Tudo conta, mas quem pode dizer melhor é ele. A idolatria, além dos resultados, vem pelo cuidado que ele tem com o torcedor. O cuidado de se conectar com o DNA Rubro-Negro, de querer vencer sempre, passar por cima das dificuldades, de se conectar com o torcedor, entender que fazemos tudo por eles e jogar "à Flamengo", como falamos aqui. Tudo isso o conecta com o torcedor. E ele tem uma preocupação enorme em tudo que faz em relação à torcida, com quem tem uma paixão grande.

Independente do desfecho desta negociação, o legado de Jorge Jesus já ficará no dia a dia do futebol do Flamengo, certo?
- Queremos muito que ele fique. Espero que ele fique. Vamos fazer todo esforço para isso, e acho que ele fará também. Realmente, acho que há vários legados, desde a rápida adaptação dele a questões que fomos adaptando no quesito estrutural. Gramado, estrutura para ele fazer os treinos de sala, os treinos com os atletas, logística... Ele ajudou muito, Ainda existe a forma de jogar e de se relacionar com os atletas. O Marcos (Braz) fala muito isso, que é esse Flamengo agressivo é o que o torcedor deseja e sonha. É o que nós (diretoria) também desejamos e sonhamos, querendo vencer tudo de forma imponente, de fazer um gol e querer mais, perder a posse de bola e pressionar para recuperar rápido. Isso é o que todo rubro-negro espera ver dentro de campo: um time intenso e aplicado buscando a vitória a todo tempo. Há todos esses legados. Tem outro legado dele que é o patamar que o clube está alcançando. O Pablo Marí é um exemplo desse patamar. Muita gente tinha receio de voltar da Europa, ou vir da Europa para o Brasil, ficar longe dos centros mais ricos e das grandes vitrines do futebol mundial. Gerson, Rafinha, Gabriel (Barbosa), Filipe Luís... todos jogadores que vieram da Europa e estão no nível que estão. O Pablo estava no La Coruña e teve um sucesso enorme aqui, nos ajudou demais nas conquistas e teve a porta aberta no Arsenal, um dos maiores times da liga mais rica de futebol do mundo, a mais desenvolvida. Era uma coisa que, até pouco tempo atrás, era impensável. Um jogador vir da Espanha, na idade do Pablo (26 anos), e depois abrir uma porta no maior centro, até em termos de valores.

Caso não haja um acordo pela renovação de Jorge Jesus, o Flamengo trabalha com algum plano B?
- Não. Nosso foco todo é para renovar o contrato do Jorge.

Pelas entrevistas, Jorge Jesus deixa claro que o Mundial está engasgado. Sente isso no dia a dia, e entre os atletas também? E isso pode contar a favor da permanência do Mister?
- Ficou engasgado para todo mundo. Todo mundo! Tudo conta, e ele (Jesus) quer ser campeão mundial. Todos jogadores querem. Outro legado dele, e dos maiores, é que as conquistas são as maiores coisas que você pode conseguir no futebol. Parece óbvio, mas as conquistas coletivas geram benefícios para todo mundo. Ele colocar isso na cabeça de todos é um legado: que todos busquem o mesmo objetivo e o que cada um pode fazer para o grupo ser o mais forte possível. Todos os atletas e funcionários são focados, obstinados em títulos. O negócio aqui é correr atrás de todos os títulos.






O fato de a vitória sobre o Liverpool ter sido palpável deixa a frustração mais evidente?
- Foi muito palpável, e é um sonho de todo mundo. As pessoas falam que "o Flamengo chegou no topo" e que "o difícil é se manter no topo". O Flamengo não chegou no topo. O que todos queremos é muito mais do que foi conquistado em termos de performance, de recordes que batemos e de conquistas que foram atingidas. Podemos atingir tudo isso de forma recorrente. Esse grupo já escreveu o nome na história do Flamengo. Agora, tem a oportunidade de escrever na história do futebol, dependendo do que conquistarem daqui para frente. Todos têm isso na cabeça. Todos sabem o que vem pela frente. O grupo deu o primeiro passo, está na história do Flamengo, e pode escrever o nome na história de futebol.









Essa questão dos recordes e metas a serem alcançadas é levada ao vestiário pelo Jorge Jesus?
- Não vou falar sobre preleção e treino, são coisas internas, mas é (levada ao vestiário). Tudo que deixa o grupo no objetivo das conquistas está sempre na mente de todos. Mas o foco é sempre nos títulos e na preparação para o próximo jogo. Você só chega lá dando um passo atrás do outro. Você pode perguntar para qualquer atleta que ele, sempre, falará do próximo jogo. É outra mentalidade vencedora que ele (Jorge Jesus) trouxe. O que faz o processo de ser campeão é vencer um jogo depois do outro, por mais que pareça clichê.