Tóquio 2020

Esportes Olímpicos Esposa e treinadora de Fratus lutou contra bulimia e depressão

Esposa e treinadora de Fratus lutou contra bulimia e depressão

Ex-nadadora Michelle Lenhardt participou de Seul 1988 e se livrou das doenças ao buscar ajuda e estudar para ser Coach 

Lance
Bruno Fratus e Michelle Lenhardt, esposa e treinadora do medalhista brasileiro

Bruno Fratus e Michelle Lenhardt, esposa e treinadora do medalhista brasileiro

Lance

O nadador Bruno Fratus ficou com o bronze nos 50m livres nas Olimpíadas de Tóquio. Porém, a história que cerca um vencedor poucos conhecem. Uma delas é da treinadora do atleta - que também é esposa de Fratus - que lutou contra a bulimia e depressão há alguns anos.

Michelle Lenhardt também era nadadora. Ela esteve na Olimpíada de Seul, mas ao deixar as piscinas optou pelo Bodybuilding e iniciou uma rotina dura de treinos. Ela disputou uma competição amadora que saiu vencedora e, em 2016, foi para o mundial. Na categoria que ela estava, precisava ter um corpo malhado, mas sem exageros e, ao mesmo tempo, feminino.

- Era um mundo completamente novo para quem competia de maiô, touca e óculos. Quando fui campeã mundial fitness, em 2016, meu mundo começou a desabar - disse Lenhardt em seu Blog.

A situação de Michelle complicou ao término da competição em 2016. Isso porque após ter uma alimentação muito restrita, ela passou a exagerar.

- Eu simplesmente comecei a comer como se não houvesse amanhã. Quis estocar tudo que cabia e não cabia mais dentro do meu estômago, como se meu cérebro entendesse que aquele momento de poder comer iria acabar assim que começasse uma nova preparação: ou seja, passar fome! Porém, eu mal sabia que nunca mais iria pisar num palco. E eu comi sem parar - lamentou.

Com tanto exagero na alimentação, Michelle passou a sofrer com a bulimia. Além disso, com os resultados ruins de Bruno Fratus no Rio 2016, sem medalhas e, em consequência, perda de patrocínios, ela também ficou depressiva.

- Sem conseguir parar de comer, fui me afundando na depressão. Meu corpo 'perfeito e vencedor' estava 'gordo e deformado', e era na comida que eu encontrava prazer, a tal da endorfina. Comia, me sentia bem por poucos minutos, e depois vinha a culpa. Aí passei a vomitar, porque não queria engordar ainda mais. Não era algo forçado, era alguma reação instantânea - concluiu.

Ao chegar no pior ponto da depressão, Lenhardt decidiu estudar para se tornar Coach. Isso foi fundamental para Fratus conseguir a medalha nas olimpíadas de Tóquio.

Corredora tropeça, cai na pista, se levanta e vence prova em Tóquio

Últimas