Conheça perfil dos técnicos mais cotados para assumir o Fluminense

Zé Ricardo, Lisca Doido e Maurício Barbieri são alguns nomes que circulam nas Laranjeiras, mas interino Marcão corre por fora como solução caseira

Fluminense após demitir Oswaldo de Oliveira, busca um novo técnico

Fluminense após demitir Oswaldo de Oliveira, busca um novo técnico

Divulgação/Fábio Lima; Rosiron Rodrigues/Goiás; Divulgação/Ceará; Mailson Santana/Fluminense

A diretoria do Fluminense ainda não chegou a um consenso sobre quem será o novo técnico do time. A saída de Oswaldo de Oliveira, na última sexta-feira, deu início a uma série de especulações nos bastidores do clube. Alguns nomes ganharam força ao longo da semana, mas a vitória por 2 a 1, sobre o Grêmio, no último domingo, sob o comando do interino Marcão, fizeram com que os dirigentes passassem a cogitar a efetivação do ex-volante e ídolo do clube.

Confira o perfil dos nomes mais cotados nas Laranjeiras:

Zé Ricardo, o sereno

Técnico é bem visto pelo presidente

Técnico é bem visto pelo presidente

Ricardo Moreira/Fotoarena

O carioca Zé Ricardo já foi demitido do Flamengo, Botafogo e Fortaleza. Viveu um bom momento em 2017, com a conquista do título estadual pelo Rubro-Negro e a classificação do Vasco para a Libertadores. Dirigiu ainda Botafogo, mas acabou demitido após a eliminação para o Juventude na Copa do Brasil. Foi contratado pelo Fortaleza no dia 12 de agosto, no lugar de Rogério Ceni, que foi para o Cruzeiro. A passagem pelo Leão do Pici, no entanto, durou muito pouco, chegando ao fim na última sexta-feira.

Veja mais: E agora, Renato? Time do Fla vale 'só' R$ 20 mi a mais que o do Grêmio

Zé Ricardo é conhecido por ser um estudioso do futebol e pela filosofia ofensiva de manter a posse de bola e o controle das ações nos jogos. A serenidade e a educação são outros traços do perfil sempre elogiados. Tem a preferência do presidente tricolor Mário Bittencourt, por fazer parte da "nova geração".

Lisca Doido, o motivador

Lisca é o preferido de Celso Barros

Lisca é o preferido de Celso Barros

Felipe Santana/Ceará

Responsável por salvar o Ceará do rebaixamento, em 2018, Lisca doido é conhecido pelo perfil motivador e de salvador da pátria, mas não costuma passar muito tempo no comando dos clubes. O gaúcho é admirado por torcedores de todo o Brasil pelo estilo brincalhão e de aproximação com o público. Ao mesmo tempo, coleciona desafetos e polêmicas ao longo da carreira, em clubes como Grêmio, Paraná, Criciúma, Náutico, Sampaio Corrêa, Juventude e Ceará. É o nome preferido do vice-presidente do Flu, Celso Barros.

Mauricio Barbieri, o estudioso

Barbieri agrada conselheiros

Barbieri agrada conselheiros

Reprodução/TV Goiás

Mais um representante da chamada "nova geração", Maurício Barbieri é conhecido pelo perfil de estudioso, por não ficar preso a um único sistema tático e gostar de fazer testes com as peças que tem à mão. A pouca idade do técnico, que tem apenas 38 anos, é, no entanto, vista como um problema nos momentos de crise. No Flamengo, não aguentou a pressão por resultados, quando deixou escapar a liderança do Brasileiro do ano passado. Também não teve um bom desempenho no comando do Desportiva Brasil (SP), Guarani, América-MG e Goiás. Em campo, gosta de equipes que mantenham a posse de bola e proponham ofensividade. Tem a preferência dos conselheiros do clube das Laranjeiras.

Marcão, o parceiro

Marcão teria a preferência dos jogadores

Marcão teria a preferência dos jogadores

AFP

Marco Aurélio de Oliveira, mais conhecido como Marcão, comandou o Fluminense pela segunda vez como interino em 2019. O ex-volante de 47 anos deu nova cara à equipe que venceu o Grêmio por 2 a 1, no último domingo, no Maracanã e saiu de campo aclamado pela arquibancada. Marcão tem pouca experiência como treinador. Assumiu o tricolor apenas quatro vezes, sempre para tapar buracos e soma três vitórias, três empates e duas derrotas. Além de já ter caído no gosto da torcida teria a preferência dos jogadores pela boa relação com o grupo, pela identificação com o clube e pelo fato de ter encerrado a carreira de atleta há pouco tempo.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

'Dança das cadeiras': Brasileirão já teve 14 quedas de técnico em 2019