Com jogos parados, CBF dá auxílio financeiro a árbitros brasileiros

Entidade também dará atendimento psicológico, aulas teóricas e orientações para manter o condicionamento físico durante período de inatividade


Decisão atende a 479 árbitros e assistentes ligados à entidade

Decisão atende a 479 árbitros e assistentes ligados à entidade

Lance

Em meio à paralisação do futebol por causa da pandemia global de coronavírus, a CBF emitiu um comunicado, em seu site oficial, informando que irá conceder auxílio financeiro aos árbitros brasileiros e assistentes que pertencem ao quadro nacional (479 no total). Cada membro da arbitragem receberá a antecipação de uma taxa que será calculada segundo a sua categoria correspondente.

De acordo com a Comissão Nacional de Arbitragem, além da ajuda financeira, a entidade dará atendimento psicológico, aulas teóricas ministradas por videoconferência e orientações para manter o condicionamento físico durante este período de inatividade da modalidade no Brasil.

Em entrevista ao canal Esporte Interativo, o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, comentou sobre o auxílio da entidade e sobre a conversa que teve com a Anaf (Associação Nacional dos Árbitros).

— É uma vitória de todo mundo, não só minha. Uma coisa que eu não quero é ficar ganhando mérito por isso. O importante é saber que existe um pensamento dentro da CBF, construído entre muita gente, e se alguém tem que ser aplaudido é o [Rogério] Caboclo [presidente da CBF], que vem superando até as expectativas da categoria. Muita gente conversou comigo, inclusive a Anaf, dizendo que apoiava a ideia. Quem foi que fez é indiferente. Os árbitros sabem como aconteceu. Isso é guerra de vaidade. A questão é o cara lá da ponta, que me mandou uma mensagem dizendo muito obrigado porque estava difícil comprar remédio para a família.

No comunicado, a CBF destacou que tem realizado sessões individuais e em grupo com psicólogos visando preservar a saúde mental dos profissionais durante o período de isolamento social. O trabalho é diário e atende de 40 a 50 profissionais por dia.

Além disso, a entidade ressaltou que a Comissão Nacional tem feito trabalhos físicos com os árbitros na busca pelo fortalecimento da imunidade e de uma rotina de exercícios físicos para a manutenção do condicionamento. Ainda conforme o comunicado, os profissionais têm recebido vídeos com lances de jogos e questões relacionadas ao VAR e as regras para participarem de testes analisados por instrutores.