Tóquio 2020

Lance Atletismo: Krystsina Tsimanouskaya consegue asilo na Polônia após se recusar a deixar o Japão

Atletismo: Krystsina Tsimanouskaya consegue asilo na Polônia após se recusar a deixar o Japão

Velocista afirma ter sido coagida a voltar para Belarus por dois dirigentes da equipe

Lance
  • Lance | por Lance

Lance

Lance

Lance

A velocista de Krystsina Tsimanouskaya não deseja voltar ao seu país e recebeu oferta de asilo da Polônia. A atleta tinha se recusado a embarcar em um voo em Tóquio, pois segundo ela, foi obrigada a ir ao aeroporto e coagida a voltar para Belarus por dois dirigentes da equipe no último domingo (01).

No mesmo momento a atleta procurou a polícia japonesa no aeroporto de Haneda acompanhada por um membro da organização de Tóquio-2020. Ela revelou ao Reuters que não foi a primeira vez que tomam decisões por ela sem ser consultada. Já que no último sábado, foi incluída na prova do revezamento 4x400 sem nenhum tipo de aviso.

A corredora Krystsina Tsimanouskaya já tinha criticado, em Tóquio, os treinadores da seleção de atletismo de Belarus. Ela ainda participaria das classificatórias do revezamento 4x400 e dos 200m rasos, mas foi excluída das competições. E justamente por ter exposto os técnicos nas redes sociais, que ela foi afastada pela delegação. Após ir a polícia ela passou a noite em um hotel no aeroporto de Tóquio.

Na manhã desta segunda-feira (02) a atleta planejava pedir asilo na Alemanha ou na Áustria, mas foi a Polônia quem se posicionou e concedeu um visto humanitário para a atleta, como anunciou Marcin Przydacz, vice-ministro polonês dos Assuntos Exteriores, em reportagem para Sky News. Ele também confirmou a informação nas redes sociais.

- (Tsimanuskaya) já está em contato direto com diplomatas poloneses em Tóquio. Recebeu um visto humanitário. A Polônia fará o que for necessário para ajudá-la a continuar sua carreira esportiva.

O marido da atleta, Arseny Zdanevich, havia contado que esposa em breve deve viajar para a Polônia. A chefe da Fundação de Solidariedade Esportiva de Belarus e ex-nadadora olímpica Aliaksandra Herasimenia, contou que procuraram vários países, mas os poloneses foram os primeiros a oferecer apoio.

- Apelamos a vários países por ajuda. Mas o primeiro que reagiu foi o consulado polonês. Estamos prontos para aceitar a ajuda deles - revelou Aliaksandra Herasimenia em entrevista à Reuters.

Veja abaixo o quadro de medalhas e o calendário dos Jogos Olímpicos de Tóquio:

Últimas