Corrupção na Fifa
Futebol Tribunal dos Estados Unidos adia sentença de Marin para agosto

Tribunal dos Estados Unidos adia sentença de Marin para agosto

Objetivo da defesa do brasileiro é conseguir que o julgamento que o condenou por corrupção seja anulado

corrupção na fifa, fifagate, marin, 

Originalmente, Marin conheceria seu destino no dia 4 de abril

Originalmente, Marin conheceria seu destino no dia 4 de abril

Buda Mendes/Getty Images - 12.2.2015

A Corte do Brooklyn adiou o anúncio da sentença do ex-presidente da CBF José Maria Marin para o dia 17 de agosto.

Esta é a segunda vez que a data é modificada. Originalmente, o cartola conheceria seu destino no dia 4 de abril. Mas, a seu pedido, teve o processo adiado para o dia 30 de maio.

Em dezembro, ele havia sido condenado por seis crimes por uma corte de Nova York. Desde então, aguarda sua sentença em uma prisão norte-americana.

O Ministério Público americano o acusou de ter recebido US$ 6,5 milhões (cerca de R$ 22 milhões no câmbio atual) em propinas, em troca de contratos para eventos como a Copa América, a Copa Libertadores e Copa do Brasil.

No caso do ex-presidente da Conmebol, Juan Napout, a sentença ficou adiada para agosto. Até lá, ambos aguardam pela decisão na prisão do Brooklyn.

O objetivo da defesa do brasileiro é o de conseguir que o julgamento que o condenou por corrupção seja anulado. Mas a promotoria americana indicou os motivos pelos quais rejeita os argumentos dos advogados de Marin.

O argumento do brasileiro era de que os promotores que apresentaram o caso não mostraram provas concretas de que Marin teria de fato recebido dinheiro em troca de oferecer contratos a empresas de televisão e marketing. Para os advogados de Marin, não existe prova de que um pagamento tenha sido retribuído com os contratos. Portanto, a relação criminosa não seria estabelecida.

Ainda assim, para os promotores, o que o julgamento mostrou é que as provas contra o brasileiro são "devastadoras". Isso inclui testemunhas, roteiro de pagamentos e dados sobre compras de mais de US$ 20 mil (R$ 68 mil) em lojas de luxo em Paris e US$ 50 mil em Las Vegas.

Para completar, o Departamento de Justiça rejeita a tese de que o material e provas retiradas dos cofres de Kleber Leite no Rio de Janeiro não foram autenticados. Nos documentos encontrados no cofre estava uma anotação feita à mão indicando o pagamento de R$ 1 milhão para "MPM". A sigla era usada para designar Marco Polo e Marin.

O adiamento da sentença ainda dificulta o trabalho da Fifa que aguardava uma posição da Corte para definir qual seria a punição ao presidente afastado da CBF, Marco Polo Del Nero. Suspenso, ele aguarda uma decisão por parte da Fifa até o final deste mês.

Del Nero, durante o julgamento de Marin, foi amplamente citado em esquemas de recebimento de propina. Ele nega qualquer envolvimento e garante que é inocente. Mas aceitou passar o controle da CBF para Rogério Caboclo, em eleição nesta semana.

EsportesR7 no YouTube. Inscreva-se

Marketing já driblou Fifa em Copa do Mundo; relembre casos