'Por precaução, nem banho tomo no clube', diz brasileiro da Fiorentina

Igor Julio, de 22 anos, está desde 2019 atuando no futebol italiano. País foi um dos que mais sofreu com a pandemia de coronavírus em todo o mundo

Igor Julio atua pela Fiorentina

Igor Julio atua pela Fiorentina

Divulgação

A Itália foi um dos países que mais sofreu com a pandemia de coronavírus. De início tratada com certo descaso por alguns governantes. A doença se espalhou pelo país, matando mais de 30 mil pessoas.

Embora o pico da pandemia já tenha passado, ainda há um temor bastante grande para o retorno das atividades esportivas. O Campeonato Italiano de futebol, por exemplo, ainda não tem uma data definida de quando a bola volta a rolar.

Porém, a maioria dos clubes já voltou a trabalhar há algum tempo. Alguns deles fizeram até mesmo uma nova quarentena para atletas que passaram o período de isolamento longe da Itália, como por exemplo a Juventus fez com Cristiano Ronaldo e outros craques.

Esse, porém, não é o caso do brasileiro Igor Julio, zagueiro brasileiro de 22 anos que atua na Fiorentina e que optou por permanecer na Itália até mesmo no período mais crítico da doença.

Atuando no país desde o ano passado, mas já em seu segundo clube (defendeu o SPAL por alguns meses), o atleta, em contato com a reportagem do R7, detalhou como está sendo a volta aos trabalhos.

“Tem sido muito bom. Estamos cumprindo alguns protocolos. Fizemos dois grupos, um treina pela manhã e outro pela tarde. Temos de manter o distanciamento. Acabou o treino, a gente já volta para casa e só toma banho em casa. Faz tudo em casa. Por enquanto vai ter de ser assim”, disse ele, que iniciou sua carreira no Atlético-MG, mas que se transferiu para o Red Bull Brasil ainda nas categorias de base.

O jogador, que vive em Florença ao lado da esposa, Bianca, afirmou que a cidade teve um forte esquema de isolamento e que mesmo agora, quando o pior já passou, algumas medidas ainda são tomadas: “No começo, você não via ninguém na rua. Tudo bem deserto, só saíamos mesmo para ir ao mercado. Agora as coisas estão voltando aos poucos, as pessoas estão saindo para fazer algumas coisas.”

O zagueiro iniciou sua trajetória no futebol italiano pelo SPAL

O zagueiro iniciou sua trajetória no futebol italiano pelo SPAL

Divulgação

Nascido em Bom Sucesso, no interior de Minas Gerais, o defensor, que desde 2016 vive na Europa, admite que, quando o coronavírus começou a se espalhar pela Itália, seus parentes ficaram preocupados, mas que ele optou por permanecer no país.

“Eles concordam com esse meu pensamento, de que se tiver segurança, se seguirmos protocolos de segurança, estaremos bem. No Brasil, a situação também não está fácil, e claro que me assusto pelos meus parentes que aí estão.“

A favor do retorno do futebol na Itália, “desde que todos os envolvidos estejam em segurança“, Igor vivia, até o início da pandemia, sua melhor fase com a camisa da Fiorentina. E encarou uma verdadeira pedreira logo em sua estreia.

Igor teve que marcar Cristiano Ronaldo logo na estreia pela Fiorentina

Igor teve que marcar Cristiano Ronaldo logo na estreia pela Fiorentina

Reprodução

“Eu já estava no futebol italiano, defendendo o SPAL, então não senti muito sobre o ritmo do jogo e o estilo do futebol. Foi um começo muito bom, cheguei um dia, no dia seguinte comecei como titular contra a Juventus, uma experiência muito diferente na minha carreira“, lembrou.

Ainda sem uma data certa para o retorno do Campeonato Italiano, a Fiorentina, ainda com 12 jogos a disputar, atualmente é a 13ª colocada do torneio, com 30 pontos, ainda sonhando com uma vaga em competições europeias, mas também ainda correndo certo risco de rebaixamento, já que o Lecce, primeiro time da zona de descenso, tem 25.

Ex-São Paulo, Corinthians e seleção feminina, Vadão morre aos 63 anos