caso daniel
Futebol Para delegado, crime passional é principal tese para morte de Daniel

Para delegado, crime passional é principal tese para morte de Daniel

Edmilson Pereira, que investiga a morte de jogador Daniel Corrêa, 24, ex-jogador do São Paulo, diz que crueldade de assassinato indica hipótese

caso daniel

O meia Daniel, em jogo do São Bento pela Série B do Brasileirão

O meia Daniel, em jogo do São Bento pela Série B do Brasileirão

Divulgação/São Bento

O meia Daniel Corrêa Freitas, de 24 anos, ex-jogador do São Paulo, teria sido morto por um motivo passional, segundo o delegado Edmilson Pereira, superintendente da Delegacia Regional da Polícia Civil de São José dos Pinhais (região metropolitana de Curitiba).

A tese, revelada nesta segunda-feira (29), é a mais provável para o crime, de acordo com a  investigação preliminar.

Atualmente no São Bento, o atleta havia sido liberado da última partida do clube na Série B do Campeonato Brasileiro, na sexta-feira passada (26), contra o CRB, em Sorocaba. Daniel, que tratava uma lesão no joelho, viajou a Curitiba.

O corpo do jogador foi encontrado na madrugada do último sábado (27), em um terreno na área rural de São José dos Pinhais. A vítima foi morta a facadas, teve o pescoço praticamente degolado e a genitália cortada pelos assassinos.

Leia mais: Tortura, assassinato e briga de bar: Veja casos traumáticos do esporte

Para Edmilson Pereira, delegado que investiga o caso, a crueldade dos criminosos sugere que Daniel tenha sido executado por algo pessoal. No entanto, outras motivações não são descartadas.

"Vendo o tipo de morte, a faca tentando degolar o pescoço da vítima e a cortando [nas partes íntimas], vemos que não foi uma coisa natural. Então, é uma pessoa que estava muito brava com ele. São hipóteses. Pode ser até uma dívida. São linhas de investigação que vamos seguir a partir do depoimento dos amigos", revelou o policial em entrevista ao R7.

Leia mais: Morte do meia Daniel tem sinais de tortura, diz Guarda Municipal

No entanto, a polícia evita divulgar possíveis suspeitos de cometer o crime para não atrapalhar as apurações.

"Tudo será definido na sequência das investigações para ver quem estava com ele, se houve desentendimento ou briga", complementou Pereira.

Leia mais: Jogadores e clubes lamentam morte do meia Daniel nas redes sociais

Última noite

Na noite de sexta-feira, Daniel teria ido à casa noturna Shed Bar, no bairro do Batel, em Curitiba, em uma região conhecida pelas baladas. O meia estava acompanhado por um grupo de amigos. Depois, teria deixado o local com seus companheiros e seguido para uma festa de aniversário em São José dos Pinhais. A partir daí, o jogador desapareceu. As últimas mensagens no celular da vítima datam da manhã do último sábado (27).

Leia mais: Jogador assassinado, Daniel teve passagem apagada pelo São Paulo

Do Cruzeiro ao São Bento, relembre a trajetória do meia Daniel