Morre Valdir Joaquim de Morais, ex-goleiro do Palmeiras e da seleção

Preparador de goleiros de grandes times do país, após encerrar a carreira como atleta, Valdir tinha 88 anos e faleceu neste sábado (11), em Porto Alegre

Valdir de Morais estava debilitado desde 2016, após ter sofrido um AVC

Valdir de Morais estava debilitado desde 2016, após ter sofrido um AVC

Reprodução/Twitter SE Palmeiras

Morreu, neste sábado (11), em Porto Alegre, o ex-goleiro do Palmeiras e da seleção Brasileira Valdir Joaquim de Morais, que construiu uma carreira vitoriosa como treinador de goleiros após deixar os gramados. A notícia foi confirmada pelo site oficial do clube alviverde.

De acordo com o a publicação, o ex-futebolista estava internado na emergência do Hospital Moinhos de Vento, na capital gaúcha, onde morava, desde a madrugada da última terça-feira (7), após passar mal. O quadro de Valdir piorou e o falecimento ocorreu por falência de múltiplo os órgãos.

O corpo ex-jogador será velado no Cemitério 'São Miguel e Almas', neste domingo (12), e, em seguida, cremado.

Valdir de Morais deixa a esposa Yvonne Carvalho de Morais, de 87 anos, com quem foi casado por sete décadas, dois filhos e dois netos, entre eles o meio-campista Danny Morais, que atualmente defende o Santa Cruz, além de cinco bisnetos.

Carreira nos gramados

O goleiro iniciou a carreira no extinto Renner-RS, em 1947, clube pelo qual atuou até 1958 — e conquistou o campeonato gaúcho, em 1954 —, quando chegou ao Palmeiras com a missão de substituir no coração da torcida o lendário Oberdan Catani. Comandado pelo técnico Oswaldo Brandão, no ano seguinte (1959), Valdir foi supercampeão paulista, após vencer o Santos de Pelé na final do torneio estadual.

Valdir de Morais também compôs a equipe alviverde que representou a seleção brasileira na vitória sobre o Uruguai por 3 a 0, em jogo que marcou a inauguração do Estádio Magalhães Pinto (Mineirão), em 1965. O goleiro defendeu o clube durante dez anos.

Valdir puxa a fila da seleção brasileira na inauguração do Mineirão, em 1965

Valdir puxa a fila da seleção brasileira na inauguração do Mineirão, em 1965

Divulgação/Palmeiras

Como jogador, Valdir disputou 480 jogos com a camisa do Palmeiras e tornou-se o goleiro que mais vezes atuado pelo clube. Foram 291 vitórias, 93 empates e 96 derrotas. Mais tarde, ele foi superado em números de partida por Emerson Leão (617) e Marcos (532).

No total, o goleiro conquistou três títulos do Paulistão (1959, 1963 e 1966), uma edição do Campeonato Gaúcho (1954), três edições de campeonatos brasileiros (1960, além do Torneio Roberto Gomes Pedrosa e Taça Brasil de 1967) e o Torneio Rio-São Paulo (1965).

Preparador de goleiros

Após deixar os gramados, Valdir de Morais passou a ser auxiliar do técnico Oswaldo Brandão no Palmeiras. Mais tarde, ele iniciou a carreira de treinador de goleiros. E foi um dos pioneiros na função que também desempenhou em clubes como Corinthians — que também se manifestou nas redes sociais em razão da morte do ex-jogador e preparador de goleiros —, São Paulo e na seleção brasileira.

No Palmeiras, Valdir foi fundamental na construção da carreira de grandes ídolos na posição — e que rendeu ao clube a alcunha de "escola de goleiros" —, como: Marcos, Velloso e Sérgio.

Valdir também integrou a comissão técnica do Brasil na Copa do Mundo de 1982, na Espanha, em uma seleção comandada pelo técnico Telê Santana e que é citada como uma das melhores de todos os tempos, apesar de não conquistar o título do torneio. O treinador foi o responsável pela preparação dos goleiros Waldir Peres, Carlos e Paulo Sérgio.

Confira a nota do Palmeiras sobre a morte de Valdir Joaquim de Morais:

"O eterno goleiro palmeirense Valdir Joaquim de Morais (defendeu o Verdão entre 1958 e 1968) faleceu no início da tarde deste sábado (11), aos 88 anos, em Porto Alegre, cidade onde nasceu e também onde residia. O ex-arqueiro palestrino estava internado na emergência do Hospital Moinhos de Vento desde a madrugada da última terça-feira (07), após passar mal. O quadro de Valdir piorou e seu falecimento foi confirmado há algumas horas por falência múltipla dos órgãos.

Desde 2016, Valdir de Morais estava debilitado devido ao fato de ter sofrido um AVC. Em 2017, o guarda-metas fraturou o fêmur e passou a ficar de cama. O estado do emblemático personagem do futebol brasileiro, no entanto, se agravou nos últimos meses, sendo que ficou ainda mais crítico nas últimas semanas.

O corpo do ídolo palmeirense será velado no Cemitério 'São Miguel e Almas', neste domingo (12), das 08h30 às 16h00 e, em seguida, será cremado.

Valdir de Morais deixa a esposa Yvonne Carvalho de Morais, de 87 anos, com quem foi casado por sete décadas, os filhos Renato Carvalho de Morais, 64 anos, e Denise Carvalho de Morais, de 59. Seus netos – ambos filhos de Renato – são Danny Morais (atualmente jogador do Santa Cruz, de 34 anos) e Suanny Morais, de 37. Além disso, Valdir tinha cinco bisnetos: Bernardo, Matheus e Henrique (filhos de Danny Morais); além de Sofia e Thomás (filhos de Suanny)".