Corrupção na Fifa
Futebol Marin é transferido para prisão de segurança mínima nos EUA

Marin é transferido para prisão de segurança mínima nos EUA

Ex-presidente da CBF estava desde dezembro de 2017 no MDC Brooklyn, conhecido como ‘depósito de gente’; dirigente foi condenado a quatro anos

Prisão Marin

Marin foi condenado em seis dos sete crimes pelos quais respondia no Fifagate

Marin foi condenado em seis dos sete crimes pelos quais respondia no Fifagate

Amr Alfiky/Reuters - 15.12.2017

Condenado a quatro anos de prisão, José Maria Marin foi transferido ainda na semana passada para o que sistema prisional norte-americano classifica como “prisão de segurança mínima”. O ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) cumprirá sua pena em Allenwood, na Pensilvânia.

Marin estava desde dezembro de 2017 no temido Metropolitan Detention Center do Brooklyn, em Nova York. Ele foi condenado pela Justiça americana em seis das sete acusações que respondia no Fifagate: conspiração para organização criminosa; fraude financeira; e lavagem de dinheiro na comercialização de direitos de TV das Copas América, Libertadores e do Brasil, entre 2012 e 2015, enquanto presidia a CBF.

A transferência de Marin, que ainda teve US$ 3,4 milhões (mais de R$ 12,5 milhões) confiscados e terá de pagar multa de US$ 1,2 milhão (quase R$ 4,6 milhões), foi considerada como uma vitória por parte dos advogados de defesa. Em Allenwood, o ex-cartola terá um cenário diferente do encontrado no “depósito de gente”, como é conhecido o MDC Brooklyn por conta do tratamento rígido com os detentos.

Na nova prisão, Marin, hoje com 86 anos, terá por exemplo direito a assistir à televisão e ter acesso à biblioteca. Segundo informações do sistema prisional, o local possuiu 1.242 detentos.

Curta a página de Esportes do R7 no Facebook

De Lucas a Joelinton: os brasileiros que marcaram na Champions

    Access log