Corrupção na Fifa
Futebol Marin e outros 10 dirigentes são banidos do futebol

Marin e outros 10 dirigentes são banidos do futebol

Comitê de Ética da Fifa suspendeu provisoriamente os investigados por corrupção

Marin e outros 10 dirigentes são banidos do futebol

O Comitê de Ética da Fifa anunciou há pouco que os 11 membros suspeitos de corrupção, entre eles José Maria Marin, ex-presidente da CBF, estão banidos provisoriamente do futebol.

Tudo o que você precisa saber sobre o escândalo de corrupção na Fifa

Marin já foi governador de São Paulo, defensor da ditadura e aliado de Maluf

"Com base nas investigações realizadas pela câmara de investigação do Comitê de Ética e os fatos mais recentes apresentados pelo gabinete do procurador dos EUA para o Distrito Leste de Nova York, o presidente da câmara decisória do Comitê de Ética, Hans-Joachim Eckert, baniu provisoriamente 11 pessoas de realizar quaisquer atividades relacionadas com o futebol a nível nacional e internacional. A decisão foi tomada a pedido do presidente da câmara de investigação, Cornel Borbély, com base no art. 83 Par. 1 do Código de Ética da Fifa", explica em nota a entidade.

Ex-dirigente da CBF avisa: está tranquilo

Acusado de corrupção, Hawilla usa tornozeleira

Além de Marin, os outros dez nomes banidos provisoriamente são: Jeffrey Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Jack Warner, Eugenio Figueredo, Rafael Nicolás Leoz, Chuck Blazer e Daryll Warner.

Também por meio de nota, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que este é um “momento difícil” para o futebol e anunciou que mais medidas serão tomadas.

"É um momento difícil para o futebol, para os fãs de futebol e para a Fifa como organização. Entendemos o desapontamento que muitos expressaram, e sei que os eventos de hoje irão impactar no modo como as pessoas nos veem", escreveu.

"Má conduta não tem lugar no futebol, e faremos de tudo para ter certeza que essas pessoas ficarão longe do jogo. [...] Continuaremos a trabalhar com as autoridades competentes e dentro da Fifa para arrancar o mal pela raiz, para reconquistar a confiança na entidade e garantir que o futebol mundial esteja livre do mal", completou.