Ex-presidente da Conmebol é levado a hospital após ser informado de acusação de corrupção na Fifa

Embaixada dos Estados Unidos no Paraguai já pediu a prisão e a futura extradição do cartola

Hospital não informou o motivo da internação de Nicolás Leoz

Hospital não informou o motivo da internação de Nicolás Leoz

Reuters

O paraguaio Nicolás Leoz, que recebeu uma ordem de prisão da justiça dos Estados Unidos, recebeu atendimento em um hospital de Assunção após tomar conhecimento de que era um dos 14 acusados de corrupção na investigação que levou à detenção de sete dirigentes da Fifa na Suíça.

O ex-presidente da Conmebol, de 86 anos, foi levado ao Sanatório Migone, na capital paraguaia, mas não se sabe se ele foi internado e também o problema que sofreu, segundo a rádio 'Primero de Marzo".

A embaixada dos Estados Unidos em Assunção pediu ao Ministério das Relações Exteriores do Paraguai a prisão preventiva e a futura extradição de Leoz. A ordem de prisão será transferida pela Chancelaria à Corte Suprema, que por sua vez tramitará o requerimento ao Tribunal de Garantias correspondente. A partir daí, a detenção de Leoz se tornaria iminente, segundo uma fonte do Ministerio.

Investigação do FBI teve cartola infiltrado com escuta

Marin e outros 10 dirigentes são banidos do futebol

Após uma eventual detenção, as autoridades americanas teriam um prazo de 60 dias para apresentar os documentos que possibilitem a extradição de Leoz, de acordo com o tratado sobre este tema entre os dois países.