Esperando clima de revanche, Brasil terá mudanças contra o Peru

Tite não indica quais, mas afirma que pode ter até quatro alterações no time. Ele disse ainda que rival quer dar o troco da derrota na final da Copa América

Tite vai mudar o time do Brasil para segundo amistoso

Tite vai mudar o time do Brasil para segundo amistoso

Lance

Após empatar com a Colômbia, a seleção brasileira faz mais um amistoso nos Estados Unidos, desta vez contra o Peru, no Los Angeles Memorial Coliseum, à 0h de quarta-feira (madrugada de terça para quarta). Para a partida, o técnico Tite promete mudanças e espera que o adversário entre com o clima de revanche por conta da derrota na final da Copa América. O treinador não vê problema nisso, desde que se tenha lealdade.

"Se eu estivesse do outro lado, teria esse sentimento de revanche, mas com lealdade. Não tem por que dar porrada. Quero jogar para mostrar que sou melhor. Se fosse o contrário, também teria. Como se faz de forma leal, é outra história. É salutar", disse Tite em coletiva.

O treinador também contou que a equipe deve ter mudanças em relação ao time que enfrentou a Colômbia na última sexta-feira. Tite não quis revelar quais seriam, mas afirmou que o time pode ter até quatro alterações.

"Oportunizar (dar chance) é sim uma possibilidade grande de acontecer. Sabendo da grandeza do jogo, de repetir a final de Copa América, em manter a estrutura básica, mas com modificações. Mas não vou falar quais vão ser. Quero manter a estrutura da equipe, para um reencontro com a devida competitividade. Pode ser em torno de quatro atletas. Não muda a defesa inteira, o meio inteiro, o ataque inteiro. Busco manter estrutura para o jogador entrar com confiança", afirmou o treinador.

Os jogadores que devem ceder a vez são Daniel Alves, Thiago Silva, Alex Sandro, Arthur e Richarlison - esses já estão adaptados ao estilo de Tite. Os candidatos para assumir as vagas são Fagner, Militão, Jorge, Allan e David Neres. O comandante também não confirmou a presença de Neymar.

Este vai ser o terceiro duelo entre as seleções neste ano. Antes, elas se enfrentaram pela Copa América e o Brasil segue 100%. O primeiro jogo foi uma goleada de 5 a 0 e o segundo - que foi a final da competição - o time verde e amarelo terminou com o título da disputa após vitória por 3 a 1, no Maracanã.

"O Peru cresceu muito nas eliminatórias. Cresceu como equipe. Se consolidou. Gareca tem feito grande trabalho. Antes do jogo da final eu falei que aquele primeiro resultado tinha sido anormal (goleada na primeira fase da Copa América). Vai ser um grande jogo de novo. Pode perder algumas peças, o Guerrero, mas há outros jogadores com qualidade. Mantém-se a estrutura básica da equipe", afirmou.

OUTROS TRECHOS DA COLETIVA DE TITE

Neymar
Tudo que for bom para o Neymar, nunca vou dizer, mas a gente sempre tem condição de fazer aqui na seleção. Nas áreas que são competentes a nós. A gente procura sempre criar as situações que sejam boas para ele e para nós. Se eu conversaria, não diria. É coisa muto pessoal.

Amistosos com seleções europeias
Seria ideal, mas a gente já conversou com o Juninho (Paulista), e temos problema do calendário. Às vezes, é incompatível. Mas temos dois amistosos com uma equipe que saiu da Copa América sem ter tomado um gol (Colômbia), e outro com a equipe que chegou na final (Peru). Tem sua importância.

Treinamentos
Verdadeiramente ajuda sim. Quando o atleta tem capacidade de ficar concentrado no trabalho e no jogo. Em termos de metodologia, é fundamental. Não adianta o cara falar e trabalhar uma forma de treinamento que não seja compatível com sua ideia. Alguns jogos que o campo seja melhor, e qualidade técnica, não só intensidade. Às vezes, com bola precisa ser veloz, ou não. Fundamentalmente, precisa ter qualidade técnica. A gente tenta trazer para os treinamentos situações de jogo.

Schomacher é internado na França sob forte esquema de segurança