Morre Maradona

Futebol Diego Maradona é enterrado em clima de estádio de futebol

Diego Maradona é enterrado em clima de estádio de futebol

Eterno camisa 10 da seleção argentina entra definitivamente para história como imortal no cemitério Jardim da Paz, na periferia de Buenos Aires

  • Futebol | Do R7

Um craque, um gênio, um ídolo que transcendeu as quatro linhas de um campo de futebol e agora imortal… Diego Armando Maradona, tão querido e controverso, foi enterrado no começo da noite desta quinta-feira (26), no cemitério Jardim da Paz, na periferia de Buenos Aires, após um velório de quase 11 horas e cerca de um milhão de fãs que queriam dar o último adeus ao eterno camisa 10, em clima de estádio de futebol.

Maradona, campeão com a seleção argentina da Copa do Mundo 1986, escolhido atleta do século 20 em eleição realizada no site da Fifa e de outros tantos títulos, estará para a eternidade ao lado dos pais. Dalma e Don Diego estão enterrados no mesmo lugar.

O velório aberto ao público na Casa Rosada, sede do governo argentino, começou pouco depois das 6h (local e de Brasília). Logo na abertura dos portões que dão acesso ao salão principal, aconteceu um tumulto entre fãs e policiais, mas que rapidamente foi resolvido. A cerimônia seguiu normalmente apesar dos mais de 3 km de fila e menos de 15 segundos para ver o caixão com a bandeira do país e uma camiseta do Boca Juniors, time pelo qual o craque se consagrou, além de flores e outros objetos.

Já no começo da tarde, em uma tentativa da polícia de não permitir mais o acesso de visitantes antes mesmo do horário previsto, às 16h, aficcionados protagonizaram alguns momentos de maior tensão. A situação foi controlada e o velório seguiria até as 19h, mas a família preferiu encerrar a cerimônia antes — os familiares e amigos mais próximos, entre eles a ex e atual vice-presidente Cristina Kirchner estavam próximos a Maradona desde o início da madrugada. 

O corpo de Maradona deixou a Casa Rosada às 17h45 e seguiu em carro fechado, não em um caminhão dos bombeiros por exemplo, pela avenida 25 de Maio e no caminho foi ovacionado por uma verdadeira multidão que deixou o isolamento social para se despedir de Dieguito, como também era carinhosamente chamado. Já na autopista, saindo do centro da capital federal, o carro da funerária foi escoltado por inúmeros motociclistas.

Após 45 minutos de traslado, o carro e a comitiva auxiliar chegaram ao bairro de Bella Vista. Desde a entrada do cemitério, de ruas simples e apertadas, torcedores que puderam acompanhar entoavam os tantos cantos em homenagem a Maradona. Muito comum nos estádios argentinos, as bandeiras com o rosto do craque argentino eram agitadas no redor do cemitério. 

Cerca de 30 familiares e amigos mais próximos estiveram no sepultamento

Cerca de 30 familiares e amigos mais próximos estiveram no sepultamento

Agustin Marcarian/Reuters - 26/11/2020

Claudia Villafañe, mulher e quem mais teve que lidar com os excessos do marido, estava bastante emocionada na cerimônia, segundo relatos na imprensa argentina. Além da ex-mulher, as filhas Dalma e Giannina ficaram ao lado do caixão.

Verónica Ojeda e o filho mais novo do astro, Diego Fernando, também estiveram no local; assim como a também filha Jana. Diego Junior não conseguiu chegar da Itália por que está com covid-19. Rocío Oliva, que teria sido impedida de entrar no velório, não aparece nas imagens do cemitério.

Maradona, que havia acabado de completar 60 anos, morreu na última quarta, vítima de uma parada cardiorrespiratória. A família chegou a pensar em um sepultamento no fim de semana, mas recuou também em razão da pandemia do novo coronavírus e da necessidade do isolamento social. Neste momento, a Argentina contabiliza 1.390.375 mortes e 37.714 mortes pela covid-19.

Jornais repercutem morte de Maradona, grande ídolo argentino

Últimas