Futebol Decisão do STF não dá fim à novela da Taça das Bolinhas

Decisão do STF não dá fim à novela da Taça das Bolinhas

Julgamento, que confirmou o Sport como campeão brasileiro de 1987, pode tornar o São Paulo o dono do troféu; Flamengo promete ir à Fifa

Decisão do STF não dá fim à novela da Taça das Bolinhas

Taça das Bolinhas ainda não tem dono

Taça das Bolinhas ainda não tem dono

Anderson Freire/Sport Club do Recife

A confirmação do Sport como campeão brasileiro de 1987 por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), após uma disputa judicial de 30 anos entre o clube pernambucano e o Flamengo, deixou torcedores curiosos sobre o destino da Taça das Bolinhas. Mas o cobiçado troféu ainda está longe de ter um lar definitivo.

Atualmente, a Taça das Bolinhas está guardada em um cofre da Caixa Econômica Federal (fiel depositária da peça), em São Paulo. No entanto, o local onde a relíquia está armazenada não é revelado pela instituição.

O Troféu Copa Brasil — nome oficial — foi criado pela CBD (Confederação Brasileira de Desportos), entidade precursora da CBF, em 1975. A taça deveria ficar em definitivo com o primeiro clube que conquistasse o Campeonato Brasileiro por três vezes seguidas ou cinco alternadas.

O Flamengo, última equipe a levantar a taça no gramado, em 1992, após bater o Botafogo na final do Brasileirão daquele ano, pensava ser o dono do troféu. Mas se envolveu em uma briga que se arrasta desde 2007, quando o São Paulo alcançou o seu quinto título nacional.

A diretoria são-paulina acreditava que a relíquia permaneceria exposta em sua sala de troféus, mas o imbróglio sobre a legitimidade do título de 1987 somado a uma briga política entre o clube tricolor e o então presidente da CBF Ricardo Teixeira impediram a ida da taça para o Morumbi.

Penta de 2007 daria direito ao São Paulo de ficar com a Taça das Bolinhas

Penta de 2007 daria direito ao São Paulo de ficar com a Taça das Bolinhas

Reprodução

Em 2010, a CBF chegou a reconhecer o direito do São Paulo e mandou entregar o troféu. Mas, a entidade recuou da decisão no ano seguinte, declarou Flamengo e Sport como campeões de 1987 e a Taça das Bolinhas voltou para a “custódia” da Caixa.

Procurado pelo R7, o São Paulo disse, por meio de sua assessoria de imprensa, não irá se pronunciar sobre o destino do troféu. Porém, o clube não deverá reivindicar a taça junto à CBF. Ao menos, por enquanto.

Já o Flamengo parece não ter desistido da luta, mesmo tendo esgotado todos os recursos nas esferas judiciais brasileiras e pode levar o caso à Fifa.

“Não cabe mais recurso no STF neste momento. O Flamengo é o campeão, ganhou no campo e estuda novas medidas judiciais e desportivas, na Fifa”, enfatizou a nota emitida pela assessoria de imprensa do Flamengo.

A CBF também foi questionada sobre o procedimento a ser adotado depois de encerrados os recursos judiciais e a entrega do troféu, mas a assessoria de imprensa da entidade não respondeu às perguntas do R7.

Regulamento do Brasileirão de 1987

A confusão sobre a posse da Taça das Bolinhas foi originada pelo regulamento do Brasileirão de 1987.

Naquele ano, a competição havia sido dividida em duas chaves (Módulos Verde e Amarelo) – com 16 equipes cada – pela CBF, que passava por grave crise financeira.

Sem recursos para organizar o torneio, a entidade aceitou a proposta do recém-criado "Clube dos Treze", formado pelas agremiações mais bem ranqueados País.

Desta forma, a elite do futebol brasileiro disputou o Módulo Verde, batizado de Copa União. O torneio foi vencido pelo Flamengo, que bateu o Internacional na decisão, no Maracanã — 1 a 0 no jogo final, gol do atacante Bebeto.

O clube carioca e o time colorado gaúcho deveriam disputar um quadrangular final com os dois primeiros colocados do Módulo Amarelo: Sport e Guarani. Como se recusaram, a CBF declarou o time recifense campeão nacional.

História da Taça das Bolinhas

A Taça das Bolinhas é uma criação do artista plástico capixaba Maurício Salgueiro, que venceu um concurso realizado pela Caixa Econômica Federal para a confecção do troféu, custeado pela instituição financeira.

A obra tem 60 centímetros, pesa 5,6kg e é composta por 156 esferas — sendo uma de ouro e as demais de pratas, banhadas a ródio para proteger o metal. Todas estão distribuídas em 13 níveis e apoiadas em uma base de madeira de jacarandá, formando a imagem de uma taça.

Desde a primeira edição até 1992, o troféu foi erguido pelos capitães de 11 equipes diferentes. São elas: Internacional (1975, 1976 e 1979), São Paulo (1977, 1986 e 1991), Flamengo (1980, 1982, 1983 e 1992), Guarani (1978), Grêmio (1981), Fluminense (1984), Coritiba (1985), Sport (1987), Bahia (1988), Vasco (1989) e Corinthians (1990).

Relembre todos os times que levantaram a Taça das Bolinhas:

Charge satiriza Taça das Bolinhas dada ao São Paulo