Futebol De monstro a melhor do mundo: crítico René Simões se rende a Neymar

De monstro a melhor do mundo: crítico René Simões se rende a Neymar

Técnico que "puxou orelha" do atacante em 2010 exalta nova postura do craque

  • Futebol | Isadora Tega, do R7

René se rende a Neymar e acredita que ele será melhor do mundo

René se rende a Neymar e acredita que ele será melhor do mundo

Getty Images

Foi no dia 15 de setembro de 2010, no duelo entre Santos e Atlético-GO, pelo Campeonato Brasileiro, que Neymar se revoltou com uma ordem de Dorival Júnior e ouviu de René Simões que estava se tornando "monstro". Quase sete anos depois, o atacante foi de marrento a comandante da seleção brasileira e, com atuações brilhantes, vai trilhando seu caminho rumo à Bola de Ouro.

EsportesR7 no YouTube. Inscreva-se

René reconhece a evolução de Neymar e, atualmente, exalta tanto o futebol quanto a postura do craque. O técnico, no entanto, acredita que o "puxão de orelha"  foi necessário e que, à época, outros profissionais queriam dizer o mesmo. "Eu tive a coragem e a sensibilidade de perceber que poderíamos perder um craque, um cara que vai ser o melhor do mundo, por conta das atitudes dele. Tive o apoio de muitos técnicos, que me diziam que fiz certo, que eles também tinham vontade de falar aquilo".

Segundo o treinador, a própria família de Neymar defendeu a crítica. "Conversei com muita gente ligada a ele, com a mãe dele, familiares dele, e eles me disseram que foi bom para o Neymar ouvir aquilo", revelou.

Classificação antecipada garante mais um recorde a Tite: "Agora vamos consolidar a equipe"
Torcedores pagam R$ 200 para sentar no concreto e tomar chuva em jogo da seleção brasileira
Brasil deve ser punido novamente por gritos homofóbicos na Arena Corinthians

Apesar da experiência conquistada, René não acredita que a transferência para o Barcelona seja a grande responsável pela "nova versão" de Neymar. Ele credita o progresso à família e às pessoas que trabalham diretamente com o craque. "Antes de ir para a Espanha, quando ainda estava no Brasil, ele já estava mudado, estava muito bem. E isso se deve ao pai e à mãe dele, que são pessoas maravilhosas e souberam lidar com ele. O empresário (Wagner Ribeiro) também ajudou muito. Há empresários que 'estragam' o jogador, mas não foi o caso dele", concluiu.

Últimas