Cuca diz entender xingamentos da torcida do São Paulo: 'Eu também protestaria'

Xingado por boa parte da torcida do São Paulo ao final da derrota por 1 a 0 para o Goiás, o técnico Cuca disse entender o protesto nas arquibancadas do Morumbi. Foi a primeira vez que o treinador se tornou alvo dos torcedores, que também chamaram o time de "sem vergonha" e "amarelão". O presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, e o diretor-executivo de futebol Raí também foram "lembrados" pela torcida.

"É um sentimento ruim, não estamos acostumados, mas entendo e dou razão. Se eu estivesse no lugar deles, estaria xingando o treinador do meu time que não ganha em casa do CSA, do Goiás e outros jogos. Que tem uma campanha em casa quase igual à campanha fora de casa. Eles pagam ingresso, vêm às 21h30 aqui, o time perde... Eu também iria protestar. Sei que isso é do ramo. Não é o que eu queria, deixar o torcedor triste. Não é o que eu queria para o grupo e para mim, mas temos de ser profissionais", afirmou Cuca, em entrevista coletiva após a partida.

Além dos protestos nas arquibancadas, torcedores se reuniram em frente ao portão principal do Morumbi e também se manifestaram. Algo que já vem se tornando corriqueiro depois dos jogos do São Paulo, que soma seis empates, quatro vitórias e agora uma derrota como mandante neste Campeonato Brasileiro.

Para Cuca, novamente a falta de confiança prejudicou o São Paulo na derrota para o Goiás. O treinador analisou a partida e assumiu ter culpa maior pelo resultado negativo.

"Começamos bem, criamos chances que não se converteram em gol. Isso vai criando uma falta de confiança. Eu me lembro da época que eu jogava, e isso acontece. Perdemos gols incríveis, até pênalti, e com jogadores experientes. Pablo é um grande jogador, mas não estava no dia dele. O Daniel Alves perdeu um gol que ele não perde, e o Reinaldo perdeu o pênalti. Não foi falta de vontade", disse o comandante, para depois exaltar o peso negativo das chances ofensivas desperdiçadas pela sua equipe.

"Vai criando uma instabilidade com essa perda de gols. O campo vai ficando pequeno, a bola fica viva, a torcida acelera e o adversário se fecha e vai pegando corpo dentro de um resultado que construiu em um arremesso lateral. Eles foram felizes, se defenderam bem. Nós criamos as chances, mudamos o sistema de um tempo para o outro. Fizemos várias mudanças para a equipe se postar à frente e criasse chances, mas não foram suficientes, e a culpa maior é do treinador", analisou Cuca.

"Se você buscar outra alternativa que eu tivesse e não coloquei... Eu busco durante o jogo, que te pede algumas alternativas. Acho que o melhor que eu podia foi feito, eles fizeram o melhor, mas não convertemos em gol. Os jogadores sofrem tanto quanto os torcedores ou até mais com a derrota. É a nossa vida, temos que conviver com isso e tentar reverter o quanto antes", acrescentou.

Cuca ainda evitou projetar sobre a disputa do São Paulo no Campeonato Brasileiro. Com a derrota, a equipe permanece em sexto lugar da tabela e não será ultrapassada por algum adversário nesta rodada, mas a diferença para o líder Flamengo aumentou para 13 pontos. No sábado, o time tricolor visita justamente a equipe rubro-negra no Maracanã.

"É difícil falar, não sei nem como foi a rodada ainda, estava conversando com todos. Lutamos pelo jogo de sábado. Essa é a luta que tem que ser. Não adianta falar que vamos lutar 'por não sei o que' e não conseguir uma vitória sábado", disse Cuca.