Seleção Brasileira Eficiência da seleção brasileira supera posse de bola da Espanha

Eficiência da seleção brasileira supera posse de bola da Espanha

Blitz armada por Felipão e ritmo alucinante em campo deixaram a Espanha desorientada

Eficiência da Seleção Brasileira supera posse de bola da Espanha

Neymar comemora segundo gol do Brasil na vitória histórica do Brasil sobre a Espanha no Maracanã

Neymar comemora segundo gol do Brasil na vitória histórica do Brasil sobre a Espanha no Maracanã

REUTERS/Kai Pfaffenbach

A fórmula criada por Luiz Felipe Scolari para a Copa das Confederações funcionou mais uma vez. Assim como contra Japão e México, a seleção brasileira entrou em campo em ritmo alucinado e tirou proveito da desatenção dos rivais para fazer 3 a 0. E a blitz armada por Felipão fez a badalada Espanha e a tradicional posse de bola de vítima.

O Brasil ficou atrás dos espanhóis no quesito, mas a cadência nos minutos finais fez com que a vantagem de La Roja fosse de apenas 52% ante os 48% dos brasileiros. E o equilíbrio também apareceu no número de finalizações para cada lado. O time amarelinho arriscou 14 vezes, enquanto os europeus dispararam 15 arremates.

A diferença, entretanto, aparece no número de bolas que incomodaram os goleiros neste domingo (30), no Maracanã, principalmente pelos gols de Neymar e Fred, duas vezes. Foram oito bolas na direção de Iker Casillas contra sete na de Julio Cesar, um dos mais festejados pela torcida canarinho após a conquista do tetracampeonato.

Veja fotos da final

Cerimônia de encerramento tem protesto e gafe da organização

Itália vence nos pênaltis e fica com terceiro lugar


Silvio Lancelotti: Olé, Olé! Brasil 3 a 0 na Espanha

Outra característica marcante da Seleção na Copa das Confederações que se repetiu na decisão foi o número de faltas cometidas: 26 contra 16 dos espanhóis. A estratégia havia sido apontada por Vicente del Bosque como uma das virtudes da marcação brasileira. Apesar de terem cometido menos infrações, os jogadores da Espanha receberam dois cartões amarelos (Arbeloa e Sergio Ramos e um vermelho (Piqué).

Leia mais na Gazeta Esportiva