Com volta de Luxemburgo, Palmeiras comemora 25 anos do Brasileirão de 94

O técnico Vanderlei Luxemburgo inicia nesta semana o trabalho como técnico do Palmeiras empolgado pela comemoração de uma das grandes lembranças que deixou para a torcida enquanto esteve no cargo anteriormente. Nesta quarta-feira, o clube comemora 25 anos de uma das conquistas mais marcantes da história. O Campeonato Brasileiro de 1994 foi a oitava taça nacional alviverde e teve o sabor especial de ter sido conquistada diante do rival, o Corinthians.

Naquele 18 de dezembro de 1994, no Pacaembu, um time com Rivaldo, Zinho, Edmundo e Roberto Carlos ganhava o Brasileirão pelo segundo ano seguido e coroava com nova taça uma das eras mais vitoriosa da história. Impulsionado pela cogestão com a Parmalat, o Palmeiras se tornou poderoso a ponto de trocar uma fila de 16 anos sem títulos por uma série de conquistas a entre 1993 e 1994: foram dois Paulistas, um torneio Rio-São Paulo e dois Brasileiros.

O mais curioso é que em três dessas finais o rival derrotado foi o Corinthians. A equipe alvinegra sofreu derrotas em 1993 na final do Paulista e no Rio-São Paulo. Na final do Brasileiro de 1994, novamente o Palmeiras teve domínio. O meia Rivaldo se destacou, ao marcar três gols nas duas partidas decisivas, ser o carrasco da sua antiga equipe e fazer o clube alviverde ganhar.

"A campanha foi muito boa, uma das mais importantes. O time era muito bom. E a equipe se reforçou para 1994, se manteve em alto nível. Aí se tornou mais madura, mais experiente, mais jogada. Por isso, em 1994 foi uma campanha de altíssimo nível", disse ao Estado o técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo. Entre 1993 e 1994 ele teve a primeira de suas quatro passagens anteriores pelo time.

O Palmeiras de 1994 vivia a confiança dos títulos obtidos no ano anterior com o acréscimo de reforços importantes. Entre as principais peças, chegaram o volante Flávio Conceição e o meia Rivaldo, craque daquele Brasileirão e escolhido a dedo por Luxemburgo após passagem pelo Corinthians. Com isso, o clube ganhou a competição sem passar sustos e fechou a campanha com apenas cinco derrotas nos 31 jogos.

Luxemburgo contou ao Estado que em agosto de 1994, ao saber que o contrato de empréstimo de Rivaldo com o Corinthians estava para terminar, monitorou o mercado e até viajou com o então diretor esportivo José Carlos Brunoro para comprar o passe do jogador, na época vinculado ao Mogi-Mirim. "Nós esperamos terminar o contrato. Ele já tinha amadurecido no Corinthians o necessário. Eu e o Brunoro ficamos atentos a isso para irmos até o Mogi-Mirim para fazer a proposta", relembrou.

Dono da melhor campanha da primeira fase, o Palmeiras passou de forma tranquila também pela segunda fase. O time voltou com a força máxima para o mata-mata, quando enfrentou os jogos decisivos a partir das quartas de final de forma invicta. O primeiro adversário foi o Bahia, superado com duas vitórias. Depois o Palmeiras passou na semifinal pela sensação daquele ano. O Guarani, de Amoroso e Luizão, também perdeu os dois encontros para o time de Luxemburgo.

Na decisão foi a hora de encontrar o rival, Corinthians, em dois jogos realizados no Pacaembu, já que o Morumbi estava com problemas no gramado. Segundo Luxemburgo, o elenco não teve ansiedade extra para os jogos por se tratar de um encontro com o rival. "Nós queríamos era ganhar o Campeonato Brasileiro. O Corinthians era mais um adversário. Mas nós não direcionamos para isso. Direcionamento, sim, para ocupação de espaço em nível nacional, mas não para o Corinthians", comentou.

O primeiro encontro teve vitória por 3 a 1, com dois de Rivaldo e um de Edmundo. Marques descontou. Com larga vantagem para a partida final, o Palmeiras saiu atrás logo no início, mas Rivaldo novamente marcou no fim da partida para confirmar o placar de 1 a 1. A equipe de Luxemburgo repetia um dos feitos do Palmeiras do início da década de 1970, quando a chamada Segunda Academia também faturou o Brasileiro em dois anos consecutivos: 1972 e 1973.

"Eu lembro que nosso objetivo era a busca de um bicampeonato e de quebrar uma hegemonia que pertencia ao São Paulo naquela época. Nosso trabalho era ser campeão em 1993, como fomos, e em 1994 queríamos repetir as conquistas", recordou o técnico. Já em 2019, o poderio do time de 25 anos atrás ganhou o reconhecimento internacional. A revista inglesa Four Four Two afirmou que o Palmeiras de 1994 foi o time brasileiro mais forte desde o Flamengo de 1981.

Time-base do Palmeiras no Brasileiro de 1994:

Velloso; Cláudio, Antônio Carlos, Cléber e Roberto Carlos; César Sampaio, Flávio Conceição e Zinho; Edmundo, Evair e Rivaldo. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.