Futebol Com saga e ingresso caro, torcida volta ao Morumbi após 575 dias

Com saga e ingresso caro, torcida volta ao Morumbi após 575 dias

Apesar do resultado ruim, torcedora do São Paulo chora por "voltar a viver as emoções que só a arquibancada proporciona"

  • Futebol | Kaique Dalapola, do R7

São Paulo e Santos foi o primeiro jogo do Morumbi sem a presença do público como medida de combate ao coronavírus no Estado de São Paulo, em março de 2020. Foram 575 dias sem torcida. Esse mesmo clássico, um ano e sete meses depois, marcou a volta do público ao estádio do Tricolor. A partida terminou 1 a 1, resultado que não agradou nenhum dos lados, mas a torcida são-paulina saiu com a felicidade de ter voltado para casa.

Pelo menos é isso que relata a supervisora de vendas Karoline Rodrigues, de 27 anos. Desde 2013, quando começou a frequentar assiduamente o estádio, ela nunca ficou um período tão longo sem ver o time in loco — nem mesmo quando o filho nasceu, pois quando ele tinha apenas dois meses já estava na arquibancada ajudando a empurrar o clube.

Karoline voltou ao estádio nesta quinta-feira (7)

Karoline voltou ao estádio nesta quinta-feira (7)

Arquivo pessoal

"Peguei-me chorando no finalzinho do jogo, ao cantar 'ôh Tricolor tu és meu viver, ôh Tricolor eu amo você', enquanto agradecia a Deus e a vida pela oportunidade de voltar a viver as emoções que só a arquibancada proporciona", conta.

Mas para chegar até a arquibancada laranja do Morumbi, a saga de Karoline foi longa — e cara. Tudo começou ainda no sábado, quando ela conseguiu comprar o ingresso. O setor que ela escolheu, custava R$ 110, e ela pagou R$ 33 por ser integrante do programa de Sócio Torcedor. Ela ainda contou com a sorte, pois foi a única da minha família que não teve problemas com o site de venda do ingressos — a irmã e o cunhado passaram por um processo mais burocrático.

Com o ingresso na mão, precisaria ir para o próximo passo. Por causa dos protocolos contra a propagação do coronavírus, os torcedores precisam ir até o estádio ou algum dos pontos credenciados para fazer o check in da partida. Karoline foi na terça-feira (5), direto do trabalho, no Anhangabaú, no centro de São Paulo, e desde então o clássico já estava com ela.

Pulseira obrigatória para entrar no Morumbi

Pulseira obrigatória para entrar no Morumbi

Arquivo pessoal

Uma pulseira foi colocada em seu braço depois de ter apresentado o voucher da compra, o comprovante de vacinação completa e um documento de identificação. A credencial era obrigatória seguir no braço, sem romper o lacre, para entrar no Morumbi. Mas não foi apenas isso do clássico que esteve presente o tempo todo com ela nesses últimos dias. Os sonhos e perdas de sono também mostravam que a hora da volta ao estádio estava chegando.

Nesta quinta-feira (7), como Karoline já esperava, o público no estádio foi bem abaixo do que tinha disponível (5.529 pagantes, cerca de 15 a menos do que o clube colocou de ingresso), e o resultado não foi o que a torcida queria. O time da casa buscou um empate com Calleri, de pênalti, após ter saído atrás do placar logo no começo do jogo.

Para a torcedora, o motivo do público baixo é o alto valor do ingresso. "Espero que depois do fiasco que foi o público e a renda desse jogo, os ingressos já fiquem mais baixos para o próxima partida, e que com a abertura de 100% do estádio abaixem ainda mais os valores".

No Morumbi, a entrada e saída foram mais tranquilas, mas não havia tanto rigor nas medidas de contra o coronavírus. "Estava aparentemente tudo normal, só a entrada da arquibancada laranja (que o era meu ingresso) que foi alterada, fizeram um único corredor de acesso antes das entradas dos setores, que foi necessário apresentar a pulseira do check in. Depois tudo normal, revista policial e catracas, tudo sem fila e só faltava meia-hora para o início da partida".

Karoline acredita que, para os próximos jogos, os protocolos serão aperfeiçoados, e não serão mais tantos procedimentos entre a compra do ingresso até pisar dentro do estádio. Mas, independentemente de qualquer alteração de procedimento, o objetivo é "seguir indo em todos, ainda que precise de bastante esforço".

A saga de Karoline terminou após as duas horas de viagem do Morumbi para sua casa, no Jardim Varginha, região de Parelheiros, no extremo da zona sul paulistana.

Mbappé admite atrito com Neymar; veja outras 15 brigas de parceiros

Últimas