CBF diz que saúde dos atletas continua a ser prioridade

Secretário-geral da entidade garantiu que os problemas na primeira rodada do Brasileiro não foram causados por falhas no protocolo de segurança

Partida foi adiada minutos antes do horário de início

Partida foi adiada minutos antes do horário de início

Edu Andrade/Agência Estado/09-08-20

Os problemas causados pela covid-19, na primeira rodada do Campeonato Brasileiro, foram decorrentes de questões de logística e não de falha do protocolo, segundo a CBF (Confederação Brasileira de Futebol). O secretário-geral da entidade, Walter Feldman, afirmou ao R7 que a saúde de todos os envolvidos nos jogos continuará sendo prioridade.

Veja também: Presidente do Goiás explica confusão com testes de covid após partida ser suspensa

"A saúde continua sendo prioritária. Foi assim em todos os locais em que houve algum problema neste fim de semana. O jogo do Imperatriz foi adiado. No do CSA, houve a substituição de todos os infectados e o do Goiás também não ocorreu. Ou seja, nos três jogos que tiveram problemas, entre os 28 que ocorreram, as decisões priorizaram a saúde e a segurança. Nenhum jogador ou funcionário passou por algum risco. E vai continuar sendo desta maneira", afirmou.

Leia mais: Confira os resultados da 1ª rodada do Brasileirão

Em relação ao adiamento do jogo entre Goiás e São Paulo, Feldman destacou que a CBF atendeu a um pedido do Goiás, de realizar uma nova contraprova nos jogadores, que acabou sendo confirmada no próprio domingo.

"Houve um problema de logística, mas o protocolo continua seguro. O Goiás pediu um terceiro teste, nós permitimos, e por isso ocorreu o atraso no resultado".

Para evitar novas situações como essa, Feldman disse que a partir da segunda rodada os testes serão descentralizados, passando a ser realizados em laboratórios locais, sob supervisão do Hospital Albert Einstein, que continuará sendo responsável pelos exames.

"Os clubes irão poder escolher laboratórios locais, o que facilitará a logística. E o Einstein continuará sendo o laboratório oficial, que coordena as ações. Temos total e absoluta confiança no Einstein. Às vezes há algum problema no lote dos testes (como aconteceu com o Bragantino, no Paulista), que nem foi causado pelo Einstein, veio do laboratório. Mas temos total confiança nos exames".

Para o secretário-geral, o modelo do campeonato não precisa ser alterado, como ocorreu, por exemplo, no Campeonato Paulista e na Copa do Nordeste, que selecionaram algumas sedes para a realização das partidas, facilitando a logística.

"Decidimos junto aos clubes que os locais onde houvesse alguma restrição sanitária teriam os jogos deslocados para outras cidades. Não é possível termos o modelo do Paulista e da Copa do Nordeste em um campeonato nacional no Brasil. Além disso, o protocolo é seguro, temos laboratórios de qualidade e autorização das autoridades sanitárias", observou.

No domingo (9), a CBF adiou, a poucos minutos do início, a partida entre Goiás e São Paulo, pela Série A do Brasileiro, após o STJD acatar o pedido do clube goiano. Os jogadores do São Paulo já estavam em campo.

A suspensão do jogo ocorreu porque a dez testes em jogadores do elenco do Goiás deram positivo para covid-19. A contraprova confirmou a contaminação em nove atletas.

Também no domingo, o confronto entre Treze e Imperatriz, pela Série C, foi adiado, após os testes em 12 integrantes (nove jogadores e três membros da comissão técnica) do clube maranhense terem dado positivo.

No sábado (8) à noite, o CSA teve o desfalque de oito jogadores, após resultados positivos em testes, divulgados na noite da última sexta (7). Mesmo assim o time alagoano, comandado por Eduardo Baptista, venceu em casa o Guarani, por 1 a 0, pela Série B.

Gênios! Confira melhores camisas 10 do futebol brasileiro no século 21