Após novo desmanche, defesa do Corinthians perdeu a 'pegada'

O Corinthians vive uma rotina de desmanches e retomadas nas últimas temporadas. O campeão brasileiro de 2015 perdeu Renato Augusto, Jadson, Ralf, Malcom e o técnico Tite. No início deste ano saíram Jô, Arana e Pablo. Depois da conquista do Campeonato Paulista, foram embora mais quatro titulares: Balbuena, Sidcley, Maycon e Rodriguinho.

Desta vez, o time sentiu o baque e ainda não conseguiu se reencontrar. Os reforços que chegaram ainda conquistaram espaços, como o chileno Ángelo Araos e o paraguaio Sergio Díaz, que nem estreou pelo Corinthians.

Com tantas mudanças, o time perdeu sua grande marca nos últimos anos: a força defensiva. Se o Corinthians foi o melhor no quesito em metade das últimas oito temporadas do Campeonato Brasileiro, agora está apenas em sexto lugar entre as defesas menos vazadas do torneio. Cássio e Fagner ainda são as referências na defesa, mas o time não conseguiu substituir o paraguaio Balbuena.

A defesa é o primeiro desafio do novo treinador, Jair Ventura, substituto de Osmar Loss, auxiliar que foi promovido após a saída de Fabio Carille, em maio. Loss não teve força para reconstruir a equipe e agora voltou a ser auxiliar.

A indefinição tática chegou também ao ataque. Após a saída de Rodriguinho, que chegou a fazer as funções de camisa 10 e camisa 9, criando e finalizando, o time desaprendeu a atacar. Romero viveu uma fase goleadora, mas está em um momento ruim. Loss colocou as fichas em Roger antes da queda, aposta que deve ser renovada por Jair.