Novo Coronavírus

Esportes Olímpicos Osaka rejeita revezamento da tocha olímpica por causa da covid

Osaka rejeita revezamento da tocha olímpica por causa da covid

Governo se prepara para impor novas medidas para enfrentar a covid-19 em áreas de Osaka e em outras duas regiões

Revezamento começou em Tomioka, Fukushima

Revezamento começou em Tomioka, Fukushima

Japan Pool/EFE/25-03-21

O revezamento da tocha olímpica evitará, provavelmente, a grande cidade de Osaka (oeste do Japão), devido a um novo aumento dos contágios por coronavírus - disseram o governador local e o prefeito nesta quinta-feira (1º), segundo a imprensa local.

Veja também: Olimpíadas de Tóquio não terão público estrangeiro por causa da pandemia

"Penso, pessoalmente, que o revezamento da chama olímpica na cidade de Osaka deve ser anulado", afirmou o governador Hirofumi Yoshimura, destacando que "os pedidos para saídas não essenciais e urgentes (da população) devem ser escrupulosamente respeitados durante o período das medidas mais estritas".

O governo japonês se prepara para impor novas medidas para enfrentar a covid-19 em algumas áreas de Osaka e em outras duas regiões.

Segundo vários jornais japoneses, o governador Hirofumi Yoshimura deseja cancelar a etapa do revezamento da chama olímpica na cidade de Osaka.

"Acreditamos que isso entra na categoria de saídas não essenciais e é preciso evitar aglomerações em Osaka", afirmou, de acordo com o jornal Mainichi.

Ainda segundo os jornais locais, o prefeito da cidade, Ichiro Matsui, também solicitou que o revezamento evite a cidade. 

Adiadas por um ano devido à pandemia, as Olimpíadas de Tóquio serão realizadas de 23 de julho a 8 de agosto. 

O revezamento da chama olímpica começou em 25 de março em Fukushima (nordeste do Japão). Os organizadores esperam que isso ajude a criar entusiasmo em torno do evento esportivo, duramente atingido pela crise global de saúde.

Conheça as mascotes de todos os Jogos Olímpicos de Verão

Últimas