Nem os japoneses acreditam que Olimpíadas serão em julho

População, atletas e governos querem o adiamento, mas COI insiste na data

Jogos de Tóquio vivem indefinição

Jogos de Tóquio vivem indefinição

BBC Brasil

Para 70% dos japoneses, os Jogos Olímpicos de Tóquio serão adiados.

Uma boa parte lamenta a impossibilidade do evento acontecer a partir do dia 24 de julho, mas está enxergando o óbvio.

Por vários motivos, as Olimpíadas não podem acontecer nesta data.

Muitos atletas que estavam se preparando para os Jogos agora estão reclusos, impossibilitados de treinar e se preparar para um evento tão importante.

O que falar de italianos, espanhóis, ingleses, franceses, enfim, europeus de um modo geral.

A maior preocupação agora é não sair de casa.

Centenas de pessoas morrem todos os dias nesses países por causa do coronavírus.

Fatalmente esses atletas ficariam numa situação de muita desigualdade perante os adversários.

Sem falar nos asiáticos, que já passaram pela pior fase do surto, mas não se livraram completamente do perigo.

Pior fase, que nós aqui da América do Sul ainda vamos atravessar, o que deixa os atletas brasileiros muito preocupados.

Talvez em julho, a situação já esteja controlada no mundo inteiro.

Mas como garantir que os atletas estejam bem preparados, se eles não conseguem treinar?

Como será o critério de classificação, se os pré-olímpicos estão todos suspensos por tempo indeterminado?

Como esperar a motivação do público e uma boa venda de ingressos, se toda a população mundial está com medo e sofrendo por conta da pandemia?

Por isso mesmo, atletas, dirigentes, jornalistas e outros profissionais do mundo esportivo estão pressionando o COI e praticamente exigindo uma nova data.

Enquanto isso, a entidade vai na contramão dos fatos e vem se esforçando para que tudo esteja dentro do cronograma.

O Presidente do COI, o alemão Thomas Bach, continua com o discruso de que ainda falta muito tempo para o início da competição.

O dirigente vem demonstrando que, por ele, os Jogos podem acontecer na época previamente estabelecida.

Uma atitude egoísta e irresponsável, que já vem deixando todo mundo desconfiado que os compromissos financeiros estão por trás dessa insistência.

Falta bom senso inclusive para o país anfitrião.

O primeiro ministro do Japão, Shinzo Abe, declarou esta semana que não pensa em transferir o evento para o final de 2020, ou para o ano que vem.

Ele foi além, descartando inclusive que os Jogos sejam realizados sem a presença do público.

Resumindo, ele ignora completamente que o mundo ainda esteja assustado e sofrendo com a pandemia.

Apesar desse cenário, ainda acredito que as Olimpíadas de Tóquio não vão acontecer de 24 de julho a 9 de agosto.

A pressão dos atletas, dirigentes e governantes de todos os países, será decisiva.

Até a próxima.

Neymar treina com parças no Brasil e aplaude profissionais da saúde