Especiais Família e amigos do Jardim Peri contam história de Gabriel Jesus

Família e amigos do Jardim Peri contam história de Gabriel Jesus

Amigos revelam gula por bolachas e até verdadeiro time de infância 

A história de Gabriel Jesus contada por família e amigos, no Jardim Peri

Fabinho, amigo de infância de Gabriel, imita o gesto do atleta de 20 anos

Fabinho, amigo de infância de Gabriel, imita o gesto do atleta de 20 anos

Edu Garcia. R7.

Se hoje é uma estrela do Manchester City de Pep Guardiola e da seleção brasileira de Tite, há seis anos Gabriel Jesus ainda era o 'Tetinha', morador do Jardim Peri e jogador do Pequeninos do Meio Ambiente, do treinador José Francisco, o Mamede, na cidade de São Paulo.

A reportagem do R7 esteve no bairro da Zona Norte, onde o camisa 9 da seleção brasileira viveu sua infância e adolescência, para conversar com amigos e familiares do atleta que hoje vive na Inglaterra.

Assim como Neymar, o atacante também levou seus 'parças' para Manchester. Um deles é Fabio Lucio, o Fabinho, amigo de infância de Gabriel que passará as festas de final de ano em São Paulo.

O jovem conta que o jogador do City investe em seus amigos. "Ele ajuda a gente (Fabio e Higor Braga, amigos de Gabriel) com cursos de Inglês e um curso de design para mim e de fotografia para o Higor. Vamos trabalhar para ele futuramente", diz o amigo.

Na mesma rua da família de Fabio vive Alan Diniz, primo do atacante, que se recorda da infância no Peri.

"O Gabriel já quebrou telhado de vizinho pra buscar bola, a gente comprava ovos para jogar nos ônibus que passavam. Sempre brincamos e bagunçamos pra caramba", relembra.

Alan explica o apelido de Tetinha: “Quando era menor, ele tinha o costume de dizer que os times que ele enfrentava eram ‘uma teta’, muito fáceis. Aí pegou.”

Luís Diniz, pai de Alan e tio de Gabriel, acredita que "muito do sucesso dele vem da mãe. Ela deu uma educação essencial para os filhos. Tanto que ele sempre foi muito humilde e focado, não se envolveu com drogas e chegou onde chegou."

Entrada do campo do Tiradentes, onde Gabriel jogou nos tempos de garoto

Entrada do campo do Tiradentes, onde Gabriel jogou nos tempos de garoto

Edu Garcia. R7.

Osvaldo de Farias, o Seu Osvaldo, proprietário de um bar próximo à antiga casa do atleta de 20 anos, diz o mesmo que Luís.

"Quando ele vem para o Brasil, sempre passa aqui, paga um refri para a molecada, fica vendo tevê e come bastante bolacha, chocolate. Com bebida e coisa errada ele nunca se meteu."

O aposentado faz questão de dizer que, antes de chegar ao Palmeiras, Gabriel acompanhava o grande rival do Verdão.

“Ele e a família toda torciam para o Corinthians. Ele vinha torcer aqui às vezes. Mas é lógico que nem ele, nem os parentes vão falar nisso”, ressalta o corintiano de 74 anos.

Fabinho, ao ser questionado sobre o time pelo qual seu amigo torcia, desconversa e opta pelo tempo presente. “Hoje ele é palmeirense. E Manchester City também”, responde, sorrindo.

"Até no Fifa ele joga muito", diz o amigo Fabinho

"Até no Fifa ele joga muito", diz o amigo Fabinho

Arquivo pessoal.

Anderson de Oliveira, vizinho durante infância e adolescência do atleta, destaca o espírito vencedor e obstinado do amigo.

“Sempre foi muito esforçado e correu atrás dos sonhos. Era briguento, marrento e odiava perder. É um moleque bom, e continua humilde depois do sucesso. Tem jogador que esquece a ‘quebrada’. Mas o Gabriel não. Sempre foi a mesma pessoa."

EsportesR7 no YouTube. Inscreva-se

    Access log