Esportes Destaque do São Paulo, Luciano fez gol no Real Madrid e sofreu calote na Grécia

Destaque do São Paulo, Luciano fez gol no Real Madrid e sofreu calote na Grécia

O atacante Luciano, do São Paulo, teve trajetória um tanto "globalizada" antes se tornar destaque do time líder do Campeonato Brasileiro. Além de ter atuado em outros grandes do futebol brasileiro, como Grêmio e Fluminense, o jogador que se tornou xodó da torcida tricolor e do técnico Fernando Diniz precisou viver o sucesso e a angústia na Europa até reencontrar as boas atuações na volta ao País.

Luciano marcou o gol da vitória do São Paulo sobre o Sport por 1 a 0, no domingo, e reforçou uma tradição que tanto tem animado os torcedores do time. Para comemorar o gol, ele pegou a bola, a colocou embaixo do braço e fez pose para ser fotografado. Esse ritual começou na estreia dele pela equipe do Morumbi, contra o Bahia, quando acatou a sugestão de um fotógrafo para que fizesse uma celebração diferente e criativa. Virou uma tradição. Não há mais gols sem a pose e já são 12 no Brasileirão.

Até agora no São Paulo, o atacante marcou 15 gols ao todo. Os números orgulham o técnico, que foi o responsável por indicar o reforço à diretoria. Diniz e Luciano trabalharam juntos no Fluminense e têm uma longa ligação de amizade. O técnico costuma cobrá-lo de forma até um pouco mais ríspida, com alguns palavrões à beira do gramado, mas o artilheiro são-paulino não se sente ofendido por isso.

"O Luciano é um jogador que chegou e conseguiu render muito bem desde o primeiro jogo e casa muito com o conceito que tenho do futebol. É muito ativo, colabora na marcação, é aguerrido. Estamos muito contentes com ele", disse Diniz. Mesmo sem poder frequentar os estádios por causa da pandemia do novo coronavírus, a torcida são-paulina compartilha dessa opinião e também é admiradora de Luciano.

O atacante de 27 anos é goiano de Anápolis e começou a carreira no Atlético Goianiense. Depois de passar pelo Avaí, chegou ao Corinthians em 2014 e ficou até 2016. Nesse período, passou a maior parte do tempo como reserva dos técnicos Mano Menezes e Tite. Ainda assim, o atacante chegou a marcar um gol contra o São Paulo em 2015 e chamou a atenção de times europeus. Por lá, viveu experiências importantes.

Luciano desembarcou no meio de 2016 no pequeno Leganés, da Espanha, clube que pela primeira vez havia conseguido subir à elite. Atuou em boa parte da campanha na temporada e viveu o melhor momento em abril de 2017. Ele marcou um gol na derrota por 4 a 2 para o Real Madrid, então grande time da Europa. O Leganés se salvou do rebaixamento, algo comemorado como um título. Porém, o brasileiro saiu do clube.

Entre 2017 e 2018 foi a vez de Luciano vivenciar experiências ruins na Europa. O destino foi o Panathinaikos, da Grécia, por empréstimo. A passagem se transformou em um pesadelo porque o atacante ficou três meses sem receber salários e acionou a Fifa para ter o contrato desfeito. Deu certo. No segundo semestre de 2018 estava de volta ao Brasil, onde desembarcou no Fluminense e encontrou um técnico que mudaria a sua vida: Fernando Diniz.

Luciano passou pelo Fluminense, depois foi para o Grêmio e só chegou ao São Paulo graças à insistência do treinador. Os gols não pararam de sair desde então e a comemoração ensaiada, que até pouco tempo atrás era só um plano, virou uma rotineira e agradável cena para todos os são-paulinos.

Últimas