CBDA anuncia critérios para disputa da seletiva olímpica de maratonas aquáticas

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) divulgou na noite de quinta-feira os critérios de convocação para a seletiva olímpica de maratonas aquáticas para os Jogos de Tóquio-2020, que foram adiados para 2021 por causa da pandemia do novo coronavírus.

A seletiva brasileira deve ser realizada em março de 2021, em programação e local a serem divulgados.

Deste evento sairão dois atletas que representarão o Brasil na seletiva olímpica mundial, marcada para os dias 29 e 30 de maio de 2021, em Fukuoka, no Japão. Nesta seletiva olímpica, o Brasil pode garantir mais um atleta na prova de 10 km da Olimpíada.

"Após consultarmos o Conselho Técnico Nacional, decidimos marcar a data da Seletiva Olímpica masculina, onde serão escolhidos os dois atletas para o Brasil. Selecionaremos os atletas e os treinadores. A divulgação com antecedência faz parte da nossa política de transparência e para todos poderem se programar com tranquilidade", disse Sergio Silva, diretor de maratonas aquáticas da CBDA.

O Brasil já tem Ana Marcela Cunha, quinta colocada no Mundial de Gwangju, na Coreia do Sul, em 2019, como classificada para os 10 quilômetros. Na seletiva olímpica mundial serão apurados mais 15 nadadores por sexo, sendo que somente um por país. Classificam-se automaticamente os nove primeiros colocados, mais um nadador por continente e o melhor japonês para os 25 que estarão na prova olímpica em Tóquio.

Agora, a seleção brasileira busca um lugar entre os homens. Por isso, seis atletas foram enviados pela CBDA a Portugal para acelerarem a sua retomada aos treinamentos de olho nas competições de 2021 e um lugar nos Jogos Olímpicos.