Jogador da NFL leva água para África e doa salário para educação nos EUA

Chris Long é conhecido por atitudes humanitárias fora do futebol americano

Chris Long: ícone quando o assunto é solidariedade
Chris Long: ícone quando o assunto é solidariedade Reprodução/Instagram

O grande destaque da temporada da NFL (National Football League, principal campeonato de futebol americano) certamente vem da Philadelphia. Os Eagles, time da cidade, têm a melhor campanha da liga até aqui, acumulando sete vitórias em oito partidas. Mas isso não é nada se comparado às atitudes humanitárias de Chris Long. O defensive end é autor de incríveis gestos de solidariedade pelo mundo como levar água para continente africano e doar salário para programas educacionais nos Estados Unidos.

A história de Long é inclusive muito mais relevante do que suas jogadas nos campos de futebol americano. Na temporada 2017, o jogador dos Eagles decidiu doar seus vencimentos de 1 milhão de dólares, seguramente mais de R$ 3 milhões, para projetos sociais no seu País. O jogador ainda tem reunido outros companheiros de futebol americano para aderirem a causas como a sua. Assim como dentro dos campos, também tem feito sucesso.

Nascido em Charlottesville, palco de embates entre supremacistas brancos e manifestantes antirracistas em agosto, Long também apoiou os protestos dos jogadores contra a violência policial e o preconceito racial nos Estados Unidos após o discurso de ódio promovido pelo presidente Donald Trump contra a NFL.

Aos 32 anos, Long é um dos veteranos da NFL. Ele joga na linha defensiva dos Eagles e sua posição, uma das mais físicas no esporte, consiste basicamente em tentar vencer os cinco jogadores que protegem o quarterback adversário e derrubar os rivais, fazendo com que percam jardas.

Os confrontos dentro de campo já configuram um desafio complexo para o defensor, mas ele não se intimida em escolher novas batalhas. Sua campanha de doação de salário voltada para a educação serviu como pontapé inicial — ou kickoff, como é chamado no futebol americano — de um movimento coletivo.

O intuito de Long é incentivar pessoas a se unirem à causa: 37,5% do que ganhará em 2017 irá para um fundo de bolsas escolares em sua cidade natal. O restante, equivalente ao que o jogador receberá por 10 partidas na liga, será investido em instituições de caridade educacionais.

“Se todos fizermos esse pacto, podemos mudar a vida de crianças carentes”, escreveu em comunicado.

Long estudou na faculdade de Virginia. Em 2008, estreou na NFL com a camisa do St. Louis Rams. Viveu oito temporadas com a equipe e se mudou para Boston um ano antes da franquia também deixar a cidade e partir para Los Angeles. Foi campeão da liga na última temporada com o New England Patriots. Em seguida, assinou com o Philadelphia Eagles. Suas doações serão divididas entre as três cidades nas quais viveu durante sua carreira.

Há dois anos e meio, o atleta lançou um programa para levar água limpa a regiões pobres do leste da África. Ele tomou a iniciativa após uma visita à Tanzânia, em 2013, quando entrou em contato com a triste realidade local. Entre os diversos dados alarmantes a respeito das condições de vida no País, destacam-se as 10 mil crianças mortas por ano devido à falta de saneamento básico e uma fonte limpa de consumo de água.

Long deu apoio aos companheiros negros em protestos
Long deu apoio aos companheiros negros em protestos Rich Schultz/Getty Images

Atordoado com a chocante visão dos tanzanianos bebendo água de um lago completamente marrom, Long decidiu iniciar um movimento de abertura de poços no país africano. Ele convidou outros atletas da NFL a participarem e recebeu o apoio de estrelas da liga.

Para Long, o mais importante é disseminar o programa e chamar atenção para a causa. Por isso, além de divulgar sua iniciativa, o jogador buscou a companhia de astros do esporte na empreitada.

“Muitas pessoas podem não saber ou se importar com quem eu sou. Mas eu sei que muitos se importam com quem Russell Wilson e Danny Amendola são”, disse, se referindo a jogadores de destaque do Seattle Seahawks e do New England Patriots, respectivamente, que apoiaram a escavação de poços na África promovida por Long.

*Pedro Rubens Santos, estagiário do R7

EsportesR7 no YouTube. Inscreva-se

.