R7 - Esportes

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

23 de Novembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Esportes/Futebol/Notícias

Icone de Futebol Futebol

publicado em 18/04/2013 às 19h00:

Caixa Econômica admite liberar empréstimo do BNDES a Itaquerão

Banco facilita as exigências para o pagamento dos R$ 400 milhões

Estadão Conteúdo

Publicidade

Pela primeira vez a Caixa Econômica Federal admite que pode intermediar o empréstimo do BNDES para o Corinthians construir o Itaquerão. Em nota oficial, o banco informou ao Ministério Público Federal que estuda viabilizar a linha de crédito de R$ 400 milhões. A operação está em fase de análise preliminar, como diz o trecho do documento: 

"Os estudos relativos à eventual operação da Arena de São Paulo encontram-se em fase de avaliação interna inicial, ainda não conclusiva, sob os aspectos técnicos (jurídico, engenharia, etc), bem como em relação aos seus aspectos econômico-financeiros, não havendo, neste momento, definição quanto à proposta de empréstimo que permita um maior detalhamento da operação pretendida, sendo certo que não há previsão de celebração de contrato nem liberação de valores". 

Torcida do Boca revela 'medinho' de pegar Timão nas oitavas

Descubra para quais times torcem os principais técnicos do futebol brasileiro

O BNDES já havia autorizado, há cerca de um ano, o empréstimo de R$ 400 milhões para viabilizar a construção do Itaquerão. A linha de crédito, no entanto, precisa ser disponibilizada por um banco repassador, pois um clube de futebol não pode receber o dinheiro diretamente. Seria o Banco do Brasil, mas as exigências bancárias pedidas não foram atendidas pelo fundo imobiliário formado por Odebrecht e Corinthians. Daí o clube iniciou conversas com a Caixa Econômica Federal e outros bancos privados. A Caixa, tendo como base suas regras internas, teria o nível menor de exigências para liberar o empréstimo. 

São-paulinos garantem classificação e fazem piadas com rivais

Outro fator que ajuda o Corinthians é a boa relação que a diretoria do clube tem com a Caixa. Recentemente, as duas partes acertaram um patrocínio na camisa por R$ 30 milhões pelo período de um ano. No mercado, entende-se que a Caixa possui uma política de financiamento mais flexível e não é porque outro banco público (BB) não tenha aceitado as garantias que a Caixa teria de recusar também. "Cada banco tem a sua política. Se um acha que a garantia é menor que a necessário, pode cobrar um spread maior, vendo a análise do risco e colocando o tamanho do juro", diz um especialista ligado ao próprio BNDES. Como o banco é o garantidor da operação, ele arca com os riscos de o fundo não pagar. Segundo o BNDES, a "operação está aprovada e tem de ser firmado o contrato com a SPE (Sociedade de Propósito Específico)".

 

Para o BNDES não muda nada se for a Caixa ou qualquer outro banco o repassador do dinheiro. Após o acerto - que a Caixa avisa que não foi feito -, o BNDES fará o cronograma de desembolso do dinheiro, que provavelmente será bem mais rápido que o normal, pois a comprovação de uso é mais tranquila porque o estádio do Corinthians já tem 70% de avanço. A demora em ter acesso aos R$ 400 milhões fez com que o ex-presidente do Corinthians e responsável pelo estádio, Andrés Sanchez, ameaçasse paralisar a obra. Caso a Caixa libere o empréstimo, o Corinthians e Odebrecht terão uma carência de três anos para começar a pagar o financiamento, que deverá ser quitado em dez anos.

Confira as memórias do esporte brasileiro! 

 
Veja Relacionados:  caixa econômica, bndes, corinthians, itaquerão
caixa econômica  bndes  corinthians  itaquerão 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping