R7 - Esportes

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

25 de Julho de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Esportes/Futebol/Notícias

Icone de Futebol Futebol

Centenário do Santos FC (1912-2012)
Peixe completa um século de história, ídolos e conquistas
Centenário do Santos FC  (1912-2012) Cobertura completa
publicado em 13/04/2012 às 05h38:

"Quase herói", Camanducaia lamenta: "Árbitro me tirou a chance de entrar para a história do Santos"

Gol mal anulado do atacante impediu a conquista do Campeonato Brasileiro de 1995

Vinícius Galante, do R7

Publicidade

Um lance poderia ter mudado a trajetória do atacante Camanducaia no futebol. Com 20 anos, o jovem que  carrega no apelido o nome da cidade onde nasceu, em Minas Gerais, despontava como revelação no time do Santos em 1995. Na final do Campeonato Brasileiro daquele ano, ele marcou, de cabeça, o gol que daria o título para o clube que celebra o centenário no sábado (14), mas o lance foi equivocadamente anulado pelo árbitro Márcio Rezende de Freitas por impedimento.

Com o empate por 1 a 1, o Botafogo acabou sendo o campeão. O curioso é que os dois gols validados do jogo foram irregulares. O do time carioca por impedimento e o da equipe paulista por um toque de mão de Marquinhos Capixaba antes da finalização de Marcelo Passos.

Na ocasião, Camanducaia entraria para a história do Peixe como o autor do gol do primeiro título brasileiro do time de Pelé em 2010, uma canetada do ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, deu status de título brasileiro à Taça Brasil e ao Torneio Roberto Gomes Pedrosa, conquistados seis vezes pelo time.

Veja as respostas do quiz

Relembre 7 técnicos que fizeram história no Santos

Hoje, aos 36 anos, Camanducaia virou empresário no interior de Minas Gerais. Dono de uma escolinha de futebol na sua cidade natal e de uma pousada em Monte Verde (MG), ele lamenta a decisão do árbitro e diz que isso mudou o seu destino no futebol.

Eu era novo, a torcida do Santos gostava de mim. O gol do título teria me dado mais projeção. Eu poderia ter ido para a seleção brasileira.

Após sair do Santos, Camanducaia perambulou por times menores, como o Marília e Ipatinga e encerrou a carreira no Santo André, em 2011.

Leia a seguir a entrevista com Camanducaia:

R7 - A anulação daquele gol no Campeonato Brasileiro de 1995 te tirou a chance entrar para a história do Santos?

Camanducaia O curioso desse lance é que o bandeira não marcou nada. O Márcio Rezende foi quem assumiu a responsabilidade e deu impedimento. Infelizmente ele nos tirou a chance de entrar para a história. Eu e todo aquele time.

R7- Você guarda mágoa do árbitro por causa desse lance?


Camanducaia Não guardo mágoa nenhuma. São coisas que acontecem no futebol. Houve erros em outras decisões também. A forma como aconteceu é que foi muito cruel. Os dois gols ilegais foram dados. Só o meu, que foi legítimo, não valeu.
Mas aquilo me prejudicou muito. Estava com 20 anos e poderia ter ganhado um impulso na minha carreira. Ido até para a seleção brasileira, quem sabe.

Hoje, prefiro olhar as coisas que aconteceram comigo pelo lado positivo. Saí do interior de Minas Gerais, de uma cidade de 20 mil habitantes e tive sucesso no futebol levando o nome da minha cidade. Tudo isso me enche de orgulho.

R7- Agora que já parou de jogar, o que você tem feito?

Camanducaia   Eu tenho uma pousada em Monte Verde (MG) e uma escolinha de futebol aqui em Camanducaia, com crianças a partir dos quatro anos. Quero, no futuro, levar algumas delas para fazer testes no Santos aproveitando os contatos que ainda tenho por lá.

R7- Você dá aula para a garotada?

Camanducaia Na verdade, eu fico mais na administração da escolinha. Mas, quando tenho a oportunidade, tento passar alguns ensinamentos para os alunos. Não apenas sobre o futebol, mas sobre a vida de maneira geral.

R7- Você pensa em trabalhar mais diretamente com o futebol?

Camanducaia Sim, eu até já tirei o meu registro no Conselho Regional de Educação Física, mas acho que preciso me preparar melhor para assumir primeiramente uma função de auxiliar e depois virar técnico. É o que eu sei fazer. Com 36 anos, eu até teria condições de estar jogando ainda.

R7- Com a geração atual de Neymar e Ganso, o Santos conseguiu retomar a rotina de títulos importantes. Isso poderia ter acontecido antes se aquele time tivesse  conquistado o Brasileirão de 1995?

Camanducaia Talvez, mas acho que esse time atual não tem comparação. Eles ganharam a Copa do Brasil, dois Paulistas e a Libertadores.

Tudo isso que está acontecendo é mérito do atual presidente [ Luis Álvaro de Oliveira]. Ele é uma pessoa inteligente e se esforçou para segurar os principais jogadores do time. Ele buscou patrocinadores para bancar a permanência do Neymar. O que está acontecendo não é por acaso.

Em 1995, o time foi formado com jogadores experientes, como o [volante] Gallo e jogadores pouco conhecidos, como o Giovanni, mas durou pouco. Logo o Giovanni foi para o Barcelona. Ninguém se esforçou para segurá-lo.

Hoje, o Santos é um clube-modelo.

R7- O que significou para você ter jogado no Santos?

Camanducaia Sou grato ao clube. Tudo o que tenho e o que acumulei, eu devo ao Santos. Cheguei muito novo ao clube e lá foi minha casa. As pessoas com quem convivi formaram a minha segunda família.

 
Veja Relacionados:  camanducaia,márcio,rezende,centenário
camanducaia  márcio  rezende  centenário 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping