Fã de Vanderlei, goleiro que venceu Corinthians e quase largou futebol tem recomeço na Ferroviária

Tadeu pegou tudo contra Timão depois de abandonar carreira  

Tadeu jogou com Vanderlei no Coritiba e tem santista como inspiração até hoje
Tadeu jogou com Vanderlei no Coritiba e tem santista como inspiração até hoje Assessoria Ferroviária

A Ferroviária é um dos dois times que conseguiram derrotar o Corinthians de Fábio Carille em 2017. No duelo pelo Paulistão, em março, um nome impediu o Timão de sair vitorioso da Fonte Luminosa: Tadeu, que fechou o gol e manteve o ataque corintiano zerado. O então goleiro reserva do time de Araraquara assumiu a titularidade e se inspira em Vanderlei, do Santos, para seguir brilhando, após quase desistir da carreira no futebol. Ele é uma das armas da AFE para bater o XV de Piracicaba neste sábado (29), na reedição da final da Copa Paulista do ano passado.

EsportesR7 no YouTube. Inscreva-se

Tadeu iniciou a carreia aos 15 anos, na base do Coritiba, e passou por Maringá, Tupi e Ceará, antes de chegar na Fonte Luminosa. Hoje com 25 anos, contou ao R7 sua história repleta de desafios, como o período em que deixou o clube de Fortaleza, parou de jogar e foi para casa até readquirir a vontade de voltar aos gramados.

“O Ceará é um clube maravilhoso. São pessoas muito sérias que trabalham lá. Foi um problema pessoal, coisa minha”, contou o paranaense de Joaquim Távora. “Eu não conseguia jogar, não sentia prazer em seguir jogando. Resolvi ir embora de lá e realmente parar. Foi um momento conturbado dentro de mim.” 

“Naquele momento, pensar em outros rumos para a minha vida me fez bem, fez bem para a minha cabeça. Tive uma conversa com meus pais e, depois dessa conversa, resolvi que se aparecesse outra oportunidade que mexesse comigo, eu ia aceitar e seguir o sonho que eu sempre tive”, declarou Tadeu. “Aí apareceu a Ferroviária e tudo mudou na minha vida. Voltei a ser aquele menino sonhador.”

A situação vivida por Tadeu não é exclusividade dele. “Acredito que há muitos jogadores que passam por isso e acabam enfrentando diversos problemas sozinhos. A maioria sai muito cedo de casa, aos 13, 14 anos. Jogadores acabam sofrendo até de depressão. Eu fiquei um bom tempo segurando isso para mim, até não dar mais e eu resolver ir embora e, aí sim, falar com a família”, lembrou.

Tadeu é o goleiro titular da AFE
Tadeu é o goleiro titular da AFE Assessoria Ferroviária

O menino sonhador, já recuperado, chegou à Ferroviária como terceira opção para o gol, mas aos poucos foi ganhando seu espaço. “Trabalhei muito. Muitas vezes não fui relacionado para os jogos, mas não abaixei a cabeça em momento algum”, disse. Quando a oportunidade apareceu, diante do Corinthians, Tadeu não decepcionou. “A equipe vivia um momento delicado. Um resultado que não fosse a vitória talvez sacramentasse o rebaixamento. Eu sabia que poderia render na partida e o time ajudou, foi mérito de todos. A partir daquele jogo, as pessoas passaram a me conhecer melhor”, disse, relembrando as seis defesas difíceis – três delas em chutes de Jadson - que praticou no duelo. “Foi uma emoção muito grande. Foi a primeira vez que meu pai e meus familiares saíram do Paraná para me ver jogar aqui. Não vou esquecer nunca.”

Para continuar a brilhar, Tadeu tem como espelho Vanderlei, goleiro do Santos e um dos destaques do Campeonato Brasileiro. “Sempre me inspirei no Vanderlei. Desde o Coritiba, eu o via treinando e notava algo de diferente nele, sempre trabalhando e nunca de cabeça baixa. Por isso não me surpreendo que peçam ele na seleção, pois o vi trabalhando por muitos anos”, comentou o arqueiro, que treinou ao lado do santista no Coxa entre 2010 e 2014.

Para a partida deste sábado, Tadeu espera que o resultado seja diferente daquele vivido em 2016, quando sua equipe decidiu a Copa Paulista e acabou derrotada pelo XV de Piracicaba. “É um clássico regional. Já havia uma rivalidade e agora vai ter ainda mais. Ficou uma ferida pela final que perdemos ano passado”, analisou o goleiro. Para quem superou tantas adversidades em poucos anos de carreira, passar por cima de um vice-campeonato parece simples para o paranaense que se dedica diariamente na segunda chance que ganhou de seguir seu sonho. “O segredo para qualquer coisa na vida é trabalhar, ralar e encarar tudo. A oportunidade vai aparecer”, concluiu.

*Pedro Rubens Santos, estagiário do R7