Defesa de Marin prevê que processo dure oito semanas na Justiça

Cartola será julgado nos Estados Unidos por corrupção na Fifa

José Maria Marin será julgado pela Justiça americana por corrupção
José Maria Marin será julgado pela Justiça americana por corrupção RENATO SILVESTRE/Gazeta Press

A defesa de José Maria Marin estima que o julgamento do ex-presidente da CBF deve durar entre seis e oito semanas. Esse é o prazo estimado pelos advogados do ex-dirigente para que a Justiça dos Estados Unidos anuncie a sua decisão sobre o brasileiro. Assim, o caso pode terminar no fim de dezembro ou se arrastar até 2018.

EsportesR7 no YouTube. Inscreva-se

Marin tenta se livrar da acusação de participar de um "grupo conspiratório", o equivalente a formação de quadrilha no Código Penal brasileiro, o que poderia agravar a sua pena. Segundo o Departamento de Justiça dos EUA, ele teria atuado ao lado de outros 26 dirigentes para enriquecer ilegalmente através de torneios de futebol em vários países. A lista de acusados de formar o "grupo conspiratório" inclui também o atual mandatário da CBF Marco Polo Del Nero e o ex-presidente Ricardo Teixeira.

Marin rebate a acusação e seus advogados alegam que as confederações agiam de forma independente, sem conexão entre si. O dirigente alega que a única competição organizada em conjunto por mais de uma confederação foi a Copa América Centenário, realizada no ano passado por Conmebol (América do Sul) e Concacaf (Américas Central, do Norte e Caribe) nos EUA.

O ex-presidente da CBF está em prisão domiciliar em Nova York em seu apartamento localizado na 5.ª Avenida, no arranha-céu Trump Tower, próximo ao Central Park. Ele pode sair de casa até sete vezes por semana, mas o Departamento de Justiça faz o monitoramento eletrônico dos movimentos de Marin através de uma tornozeleira.

Ele tem de permanecer dentro de um raio de até duas milhas (o equivalente a três quilômetros) do prédio onde mora e precisa sair acompanhado de um segurança. Nas saídas do Trump Tower também foram instaladas câmeras de vigilância. Todo o custo de monitoramento é pago por Marin.