Copa das Confederações 2013

30/6/2013 às 20h50 (Atualizado em 30/6/2013 às 21h19)

Brasil bate melhor time do mundo e conquista a Copa das Confederações

Seleção se impôs sobre a Espanha e fez 3 a 0 para a alegria dos 73 mil torcedores no Maracanã

André Avelar, do R7, no Rio

Foi como o roteiro de um filme. A seleção dona da casa, contra a melhor equipe do torneio, em um dos maiores templos do futebol. O final, claro, foi feliz para os mocinhos contra os nem tão bandidos assim. O Brasil venceu a Espanha por 3 a 0 neste domingo (30), no Maracanã, no Rio de Janeiro, e garantiu o tricampeonato da Copa das Confederações, o quarto título em sua rica história. Fred, duas vezes, e Neymar fizeram os gols da vitória sobre aquele que é tido como o melhor time do mundo. Sérgio Ramos ainda perdeu um pênalti e Pique foi expulso.

O segundo filme da série começa a ser traçado já com essa conquista da Copa das Confederações. Os próprios jogadores da seleção brasileira admitem que o título é um sonho realizado, mas o grande objetivo é mesmo a Copa do Mundo no ano que vem. Tudo até agora serviu como ensaio para os artistas do espetáculo – mesmo para os organizadores.

Como se tornou marca na competição, os 73.531 torcedores presentes no Maior do Mundo deram conta de uma emocionante trilha sonora. O público cantou a plenos pulmões o Hino Nacional, mesmo quando, por determinação do sisudo protocolo da Fifa, a música parou. O “gigante pela própria natureza” das manifestações foi em parte impedido pela polícia de chegar ao estádio, mas ainda assim deu mostras de um bom sentimento de patriotismo. 

Cerimônia de encerramento tem protesto e gafe da organização

Notas atuações: “Quer jogar? O Brasil vai ensinar”

Se antes a seleção era criticada pela ausência de padrão de jogo, fez sua melhor partida taticamente até aqui. O ex-zagueiro Felipão armou um time fechado, que explorou os contra-ataques e soube aproveitar as oportunidades diante de uma equipe que não permite erros. Quanto à carência dos grandes ídolos do passado, hoje eles deram lugar ao oportunista Fred e, claro, ao craque Neymar.

Inversão de papéis

Mas o que poderia ganhar ares de drama devido a qualidade do rival ficou mais fácil antes dos dois minutos de bola rolando. Mesmo caído, o artilheiro Fred aproveitou uma sobra na pequena área e empurrou para as redes de um jeito que só os melhores centroavantes sabem fazer – antes do fim do primeiro tempo ele ainda perdeu um gol na cara de Casillas. Com dez minutos de jogo então, os papéis se inverteram e o Brasil passou a tocar infinitamente a bola, com direito até a gritos de “olé” da torcida. 

Já o segundo gol veio aos 43 minutos, com um passe de Oscar e um chute mais do que preciso de Neymar. Assim como Fred, o camisa 10 também literalmente pulou nos braços da torcida no moderno Maracana, agora sem grades ou alambrados. Na melhor chance dos espanhóis, David Luiz salvou em cima da linha após chute de Pedro. Faltavam mais 45 minutos para conter os ânimos e só comemorar o título. 

Se alguém tinha dúvida que a fatura já estava liquidada, Fred tratou de demonstrar isso de novo com menos de dois minutos. Logo no início da etapa complementar, Hulk toca a bola, Neymar deixou a bola passar para o camisa 9 fazer o seu quinto gol em cinco jogos na competição.

Os espanhóis, atuais bicampeões da Eurocopa (2008 e 2012) e também atuais campeões da Copa do Mundo (2010) não sabiam o que fazer. Nunca tinha visto é situação, ainda mais como uma torcida inteira contra. Aos 8 minutos, Marcelo fez um pênalti infantil em Jesus Navas, que havia acabado de entrar. O zagueiro Sérgio Ramos foi para a bola e tremeu diante de Julio Cesar. Bola para fora e o Brasil continuou com tranquilidade na partida. Companheiro de zaga, Pique ainda perdeu a cabeça e foi expulso.

Com o resultado feito, Felipão deu moral para os reservas Jadson, Jô e Hernanes. Ainda viu a torcida ensaiar um grito que vai pegar nas arquibancadas: "quer jogar, quer jogar, o Brasil vai te ensinar."

Nova Família Scolari

De volta ao time canarinho depois do pentacampeonato, esse há exatos 11 anos, Felipão conquistou seu primeiro título. De um time carente de ídolos, conseguiu unir talentos individuais e apoio incondicional dos torcedores para mais essa conquista em seu currículo. Um jogo mais refinado, algo que pelo menos chegue próximo do que faz a Espanha, por exemplo, sempre vai ser desejado. Mas enquanto somar triunfos, essa vai ser a tônica da seleção brasileira.

A Copa do Mundo de 2014 começa em 12 de junho, no Itaquerão, em São Paulo, e termina em 13 de julho, de novo no Maracanã, no Rio. A julgar pelo resultado deste domingo já dá para saber quem larga na frente em busca do sonhado título.
 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!