R7 - Esportes

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Esportes/Esportes Olímpicos/Notícias

Icone de Esportes Olímpicos Esportes Olímpicos

publicado em 09/10/2012 às 05h45:

Polêmico, Grego sonha com volta à CBB e promete gestão guiada pela “reflexão, modernização e transparência”

Candidato na eleições de 2013, ex-presidente concede entrevista exclusiva ao R7

Carolina Canossa, do R7

Publicidade

Atual presidente da CBB (Confederação Brasileira de Basquete), Carlos Nunes terá um único opositor nas próximas eleições da entidade, programada para março de 2012. Será Gerasime Bozikis, o Grego, ex-comandante da entidade e que, na maior parte dos anos de sua gestão, teve Nunes como seu aliado.
Candidato à reeleição, Nunes se diz tranquilo e projeta ouro para 2016

Nascido na Grécia e naturalizado brasileiro, o dirigente esteve à frente da CBB de 1997 a 2009. Durante este período, foi acusado de ter feito um péssimo trabalho. A seleção masculina, por exemplo, ficou fora das três Olimpíadas disputadas enquanto Grego esteve no cargo, mas, em entrevista exclusiva ao R7, ele alega que “por falta de uma melhor comunicação e de um fluxo contínuo de informações para a mídia e a comunidade do basquete, acabaram ganhando corpo várias críticas que na realidade não procediam”. 
Grego se defende lembrando que a seleção feminina foi bronze nos Jogos de Sidney, em 2000 e que boa parte da equipe masculina que se classificou para Londres 2012, esteve nos Pré-Olímpicos em que o Brasil fracassou. Ele afirma também que só não conseguiu fazer mais por falta de dinheiro. Dinheiro de um orçamento que, agora, diz ser três vezes mais que em seu tempo.

Depois de, em suas palavras, “refletir e repensar tudo que aconteceu nos últimos anos da minha gestão e da atual”, Grego decidiu tentar assumir o cargo novamente e avalia ter boas chances de vitória para, assim, poder fazer uma gestão cujo lema promete ser “reflexão, modernização e transparência”.

Envolvido com a campanha, com o trabalho como presidente da Abasul (Confederação Sul-americana de Basquete) e suas atividades como empresário, por diversas vezes ele não conseguiu atender a reportagem do R7 por telefone. Topou então conceder a entrevista por e-mail, na qual pode ser lida na íntegra abaixo (as palavras em letras maiúsculas em determinadas frases, inclusive, são do próprio Grego). Confira:

Maioria dos esportistas se dá mal nas eleições municipais; veja os eleitos e derrotados

Piloto de Fórmula 1 paga mico com “piti” no Twitter

Conheça o brasileiro que atua na liga de vôlei do Irã

Por tri olímpico, Bolt descarta salto em distância no Rio de Janeiro

Ana Marcela vence em Hong Kong e é bicampeã mundial por antecipação

R7 - Quais os motivos que o levaram a se candidatar novamente à presidência da CBB?

Gerasime Bozikis - Após praticamente 3,5 anos fora do dia a dia da CBB, tive a oportunidade de refletir e repensar tudo que aconteceu nos últimos anos da minha gestão e da atual. Eu gostaria de:

- colocar em prática os programas que não aconteceram por falta de recursos;
- desenvolver um novo projeto de gestão empresarial para a CBB com a participação dos Presidentes das Federações e de todos os segmentos da comunidade do Basquete, mostrando e ouvindo opiniões de pessoas de notoriedade no basquete nacional;
- apoiar as Federações, economicamente na sua estruturação e dar o suporte necessário; - formar duas grandes seleções (FEM/MAS) para Rio 2016;
- estruturar e dar grande atenção para as categorias de base em todo o Brasil, pois o basquete vai continuar após 2016;
- Após estar presente em cinco Olimpíadas, poder participar a frente da CBB na organização dos jogos em nosso país;
- Aproveitar para o bem do basquete toda minha experiência nacional e internacional e a minha paixão pelo nosso esporte.

R7 - Como o senhor avalia a gestão do Carlos Nunes à frente da entidade?
GB -
Seria antiético falar da atual administração, porém toda a mídia tem veiculado notícias e informações destacando os problemas de planejamento e da própria execução de atividades na área técnica, além da gravíssima situação financeira da entidade, que ao final de 2011 já havia alcançado R$ 6,2 milhões de prejuízo, e segundo especialistas do mundo das finanças, estar em estado falimentar. Isto tudo apesar de estar trabalhando com um orçamento de R$ 25/30 MILHÕES anuais, o triplo da administração anterior.

R7 - Durante o período no qual foi presidente da CBB, o senhor foi muito criticado, até pelo fato de o basquete masculino do Brasil ter ficado de fora das Olimpíadas estes anos. Como encara estas críticas?

GB -
Por falta de uma melhor comunicação e de um fluxo contínuo de informações para a mídia e a comunidade do basquete, acabaram ganhando corpo várias críticas que na realidade não procediam.

Levamos a seleção feminina a todas as Olimpíadas e conquistamos uma medalha de BRONZE em Sidney 2000, porém, não tivemos a mesma performance com a seleção masculina, fato que felizmente aconteceu em Londres 2012. Mas, se prestarmos atenção, nas equipes brasileiras masculinas que disputaram os Pré Olímpicos de 2003/P.Rico e 2007/Las Vegas, onde enfrentamos os EUA (o que não aconteceu ano passado) e fomos eliminados, nove dos atletas que disputaram as Olimpíadas estavam lá, inclusive o Nenê.

Além disso, recriamos os Campeonatos Brasileiros de Base com a participação de todos os 27 Estados e assinamos o 1° contrato de ciclo olímpico com a ELETROBRÁS (o maior patrocinador de basquetebol de todas as Américas / fora NBA). Também organizamos 2 mundiais FIBA no Brasil (S.Paulo e Natal) e criamos o Campeonato Feminino, a Escola Nacional de Treinadores, o Basquete do Futuro Eletrobrás. Vencemos vários PAN-AMERICANOS, COPAS AMÉRICAS, Sul-americanos nas diversas categorias Feminino e Masculino, 2° no Mundial Sub 21 Fem e 4° no Mundial Sub 19 Masc.

Creio que o saldo é extremamente positivo.

R7 - Falando em seleção masculina: se eleito, o senhor pretende manter Rubén Magnano como treinador?

GB -
Sim, Rubén é um grande treinador e está fazendo um bom trabalho.

R7 - Qual será a sua proposta para o basquete feminino do Brasil, que vem acumulando resultados ruins no cenário internacional?

GB -
Fortalecer a LNB Feminino, repatriar atletas brasileiras e trazer atletas estrangeiras para completarem as equipes, através de um grande DRAFT.

Organizar mais campeonatos de clubes em todo o Brasil nas categorias Adulto, Sub 15, Sub 17 e Sub 19 para surgimento de novos valores.

R7 - Na sua opinião, o modelo da Novo Basquete Brasil (NBB), no qual os clubes organizam a disputa de forma independente, somente com a chancela da CBB, está funcionamento bem? 

GB -
O campeonato Nacional de Basquete iniciou em 1995 com grande apoio do SPORTV e dos maiores e melhores clubes do Brasil. Durante a nossa gestão, organizamos, fortalecemos e profissionalizamos o Campeonato Nacional, iniciamos a estatística ao vivo, a memória de competição, criamos o comitê de clubes e passamos a direção para a LIGA NACIONAL de BASQUETE (LNB) no momento certo e de forma correta.

Os resultados têm sido bastante positivos e a tendência é crescer ainda mais em importância e representatividade. 

R7 - Você tem mais alguma proposta que gostaria de ressaltar?

GB -
Estruturamos uma proposta que começa a ser discutida com os Presidentes das Federações Estaduais e com a comunidade do basquetebol e tem como foco oito macro ações que vão nortear todo o trabalho que vamos desenvolver nos próximos anos.

Para cada uma destas ações, nós conseguimos a adesão de profissionais de reconhecida competência e experiência, que vão liderar a implementação destas iniciativas e na minha opinião o mais importante é que quase todos são ex-praticantes do nosso esporte.

Esta proposta se tornará um Projeto de Gestão e será apresentado para os Presidentes das Federações, órgãos públicos, patrocinadores e mídia em geral, para ser acompanhado e avaliado por todos.

O lema da futura gestão é REFLEXÃO, MODERNIZAÇÃO e TRANSPARÊNCIA.

Pensar sobre o passado e identificar enganos, modernizar processos e estatutos e mostrar periodicamente todas as ações e resultados obtidos.

R7 - Como avalia as suas chances de vencer a eleição?

GB -
Com o apoio dos Presidentes, das Federações Estaduais, grupos empresariais, e pessoas de notoriedade dentro do nosso esporte, formamos uma equipe forte que nos levará ao sucesso no próximo pleito da CBB em MARÇO 2013.

Clique aqui para ver as respostas do quiz 

 

 


Veja Relacionados:  Grego, basquete, entrevista, exclusiva, Gerasime Bozikis, polêmico
Grego  basquete  entrevista  exclusiva  Gerasime Bozikis  polêmico 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping